HUSSEIN CHALAYAN

フセイン·チャラヤン

CHALAYAN 888

source: ffw

Hussein Chalayan nasceu na Turquia, mas ainda criança foi viver em Londres com a família. Estudou design de moda na renomada Central Saint Matins College of Art and Design, em Londres. Chalayan sempre foi ousado e visionário em seus trabalhos na moda. O estilista-artista já levou para a passarela uma saia de madeira que virava mesa, vestidos que se transformavam quando atingidos pelo vento, (vindo de um ventilador gigante no fundo da passarela, e outra vez com ar saído do chão) e um outro feito com uso de tecnologia LED, com direito a passar vídeos.
Além da moda, Chalayan tem vários projetos artísticos como uma instalação feita com réplicas de pedaços de aviões decorados com cristais Swarovski e uma exposição que mistura esculturas, áudio e vídeo.
.
.
.
.
.
.
.
source: finslab

Hussein Chalayan MBE é um turco estilista britânico / cipriota. Ele ganhou o British Designer of the Year duas vezes e foi premiado com o MBE em 2006.

Juventude e educação

Hussein Chalayan nasceu em Nicósia, em 1970, e se formou na Türk Maarif Koleji de sua cidade natal. Naquela época, a população da ilha foi dividida por causa das lutas constantes entre as autoridades turcas e grega. Os conflitos étnicos entre as comunidades turca e grega de Chipre, eventualmente, levou à guerra e atos de limpeza étnica do lado grego. Por esta razão Chalayan e sua família foram forçados a se mudar para a Inglaterra em 1978. Aqui, ele primeiro estudou por um Diploma Nacional em moda e vestuário em Warwickshire Escola de Artes, e começou a estudar Design de Moda na Central Saint Martins College of Art and Design, em Londres. Sua coleção de pós-graduação em 1993, intitulado “The Tangent Fluxos”, continha roupas que ele havia enterrado em um quintal e exumados logo antes do show, onde foram apresentados com um texto que explica o processo. O ritual de sepultamento e ressurreição foi dito para dar as vestes uma dimensão que referenciada a vida, morte e decadência urbana. O trabalho atraiu a atenção da boutique de moda Browns em Londres, que emprestou a coleção para recurso em sua vitrine.

Início da carreira

Chalayan estabeleceu sua própria empresa em 1994, Cartesia Ltd., assim como o seu pronto a vestir linha, Hussein Chalayan. Em seus desenhos de moda, ele integra corpo humano e roupas com tecnologia, ciência e arquitetura, brincando com as narrativas construídas em torno da cultura e antropologia. Para construir essas histórias que ele combina seu trabalho da forma artística com instalações de música e cinema. É por isso que os desfiles são muitas vezes referidos como performances ao invés de moda. De acordo com Chalayan no entanto parte dessa percepção está relacionada ao fato de que as peças de vestuário que, eventualmente, se fala são aqueles que são os mais inovadores, em alguns casos, até mesmo descreveu como “wearable art” e não o resto das coleções que mostram altamente roupas usáveis.

Carreira profissional

Desfiles de moda Hussein Chalayans ‘são caracterizados por conjuntos mínimos e um clima de suspense, incorporando elementos de interiores contemporâneos, arquitetura urbana, e estruturas geométricas. Nos shows de inspirações conceituais e teóricos por trás suas vestes são jogados fora em todo o corpo.

Em 1995, Chalayan vencer 100 concorrentes para conquistar uma maior prêmio de design de moda de Londres. No concurso, organizado pela empresa “Absolut”, Chalayan, de 25 anos, ganhou o apoio financeiro, no montante de £ 28.000 para desenvolver criações para Fashion Week, na capital britânica em Outubro de 1995.

Também em 1995 Chalayan trabalhou com avant garde estrela Björk. A jaqueta que Björk usa na capa de seu álbum de Pós foi projetado por HChalayan. Publicar turnê de Björk também contou com várias criações de Chalayan e Björk modelados para Chalayan em outubro de 1995 para Londres Fashion Week.

Suas terras coleção sem para a Primavera / Verão 1997 contou com vários vestidos “Kite”, que eram notável por causa da maneira em que ele dirigiu a relação entre as suas vestes e do corpo, e seu uso de proporções arquitetônicas para amplificar sua interacção com o meio envolvente.

Em sua coleção Entre para a Primavera / Verão de 1998, ele enviou modelos na passarela vestindo chadors negras de diferentes comprimentos e nada mais, aludindo à contínua mudança de forma de zonas erógenas em torno do corpo feminino surgindo em resposta à evolução das ideais. O primeiro usava um chador, que cobria a maior parte do seu corpo e deixou uma lacuna apenas para seus olhos. Cada véu tornou-se cada vez mais curtos, até que, finalmente, o último estava nua para além de uma máscara cobrindo o rosto. De acordo com Chalayan esta peça era sobre a definição de território cultural, ‘

A coleção panorâmico para o Outono / Inverno de 1998, manifestou a idéia de infinito em uma paisagem urbana surreal de formas geométricas e imagens distorcidas. Os modelos foram distorcidas em formas genéricas e unificado por proporções arquitetônicas; cones foram fixados para o topo da cabeça e do rosto e do corpo envolto em preto para ocultar sua identidade. Como Chalayan explorou a idéia de representar a natureza nesta coleção, partiu-se em sua representação gráfica mais básico, pixels. Corpo e roupas foram então fundidas em uma paisagem digital, que foi recriada em ampliadas em forma de cubo pixels.

No outono de 1998, enquanto ainda projetar sua linha de assinatura, ele foi apontado como um consultor de projeto para a etiqueta malhas New York TSE. Sua colaboração com eles durou até 2001, quando a empresa decidiu não renovar seu contrato.

Para sua coleção Echoform para o Outono / Inverno 1999 Chalayan criou vestidos de couro inspiradas em interiores de automóveis para representar a velocidade de externalização. Ele também imitou interiores de avião, anexando encostos de cabeça acolchoado para se veste Este projeto foi baseado em explorar a relação da mobilidade inerente do corpo e teve como objetivo evocar pensamentos sobre velocidade, espacialidade e bem estar.

O Antes menos agora coleção para a Primavera / Verão de 2000 continha uma série de vestidos arquitetônicos que evoluíram a partir de sua colaboração com B Consultores, uma empresa com sede em Londres de engenheiros arquitetônicos. Os vestidos destaque impressões arquitetônicas de arame contra fundos brancos estáticos, gerados por um programa de computador que permite aos designers para desenhar dentro de um intervalo de três perspectivas dimensionais dentro de uma paisagem arquitetônica. As imagens foram então transferidos para seda e tecidos de algodão, usando um processo de impressão tecido mecanizada. Esta coleção também contou com o vestido “Controle Remoto”, que estreou no Festival de Hyères, na França em 2000 e ilustrado claramente o interesse de Chalayan em technology.The vestido incorporada a aerodinâmica de uma viagem de avião para a sua forma e estética e foi considerado um triunfo oi tech que ligava moda à tecnologia e tecnologia para o corpo, estabelecendo um diálogo entre o corpo eo ambiente. O vestido de controle remoto foi o primeiro dispositivo sem fio para ser apresentado como uma peça de vestuário de moda em pleno funcionamento.

Sua coleção Geotrophics para a Primavera / Verão de 1999 já tinha destaque Vestidos cadeira que representou a idéia de uma existência nômade e um ambiente totalmente transportável. Este conceito foi posteriormente expandido em After Words coleção de Chalayan para o Outono / Inverno 2000. que incluiu alguns de seus projetos mais conhecidos, como “o café vestido de mesa”. Em Afterwords, Hussein Chalayan focada no aspecto involuntário e dramática de mobilidade, e ilustrou os impactos sentimentais da migração forçada. Apresentado no Wells teatro de Sadler, em Londres, o show contou com um palco nu, branco ladeado por planos assimétricos em três lados e continha 1950 mobiliário de estilo que os modelos adaptados como roupas no final do show e quer transportada ou usava fora do palco. Um dos modelos transforma uma mesa de café mogno em uma saia geométrica e telescópico, de modo que torna-se deslocar no corpo humano. O show foi baseado na idéia de ter que evacuar casa durante um tempo de guerra, escondendo bens quando um ataque era iminente, e usando roupas como os meios para levar bens mais rapidamente. O tema era uma expressão autobiográfica de raízes cipriotas turcos do Chalayan e os acontecimentos políticos que afetaram sua infância. No entanto Chalayan não se limita a ilustrar a situação, ele desafia o contexto histórico em que os imigrantes tiveram que deixar para trás os seus bens e perder a sua identidade por causa de sua qualidade portátil un dos objetos. Desde que ele desenha as roupas como propriedades privadas portáteis, os imigrantes podem transportar esses itens que definem suas identidades e culturas com eles durante as suas viagens indesejadas. Desta forma, ele permite-lhes uma posição relativamente mais ativo, onde eles podem se adaptar a natureza física com o contexto social. A Tabela de saia e todo o conjunto do show foram posteriormente destaque em exposição Century City de 2001 Tate Modern, em Londres.

Apesar dessa atenção e reconhecimento por seu trabalho Chalayan lutou com patrocínio e financiamento, muitas vezes recebê-lo a partir de várias outras empresas e seu próprio país. A decisão do TSE de não renovar seu contrato causou mais dificuldades financeiras como o designer totalizaram £ 250.000 em dívida e foi forçada a entrar em liquidação voluntária. Posteriormente, ele reestruturou a sua empresa e encenado coleção retorno em 2001, sem uma apresentação passarela, e projetado para a etiqueta high street Marks and Spencer para fazer face às despesas. Fabricante de roupas italiano Gibo também ajudou o designer como fez joalheiro britânica Asprey, que o nomeou como seu diretor de moda do mesmo ano.

Ele foi coroado “Designer Britânico do Ano” em 1999 e 2000, e foi premiado com um membro da Ordem do Império Britânico em 17 de junho de 2006. O reconhecimento internacional também seguiu, onde ele foi premiado com o projeto da estrela Honoree por The Fashion Group International em sua noite anual de Estrelas Gala, em Nova York, em 2007.

Em 2002, expandiu seu portfólio Chalayan projeto com sua linha de moda masculina, os direitos exclusivos dos quais foram vendidos para internet varejista Yoox.com em 2007. Depois de passar por problemas financeiros, incluindo ter que mover seu estúdio três vezes e trabalhar em casa com sua equipe em entre, ele anunciou planos de se mudar sua desfiles de Paris. Em 2004, ele e acrescentou uma outra linha de difusão para a sua crescente lista de tarefas de projeto.

Em 2007, ele doou uma peça de mostruário para o Fashion é Exposição de arte em auxílio de Ajuda estação de rádio Capital 95,8 de uma instituição de caridade de Londres Criança que foi vendido em um leilão exclusivo em Londres.

No início de 2008, ele projetou uma série de vestidos de LED Laser em colaboração com a grife de luxo Swarovski, apresentou em Tóquio. 28 de fevereiro de 2008, Chalayan foi apontado como o diretor criativo da marca esportiva alemã Puma. Puma também anunciou que comprou uma participação majoritária em seu rótulo. O designer também colaborou com Hoisery alemão e etiqueta legwear Falke para produzir um off peças de calçado para sua coleção show de Outono / Inverno 2008 encamisado, em Paris. Em 2010, ele abriu seu Eu Sou instalação multimídia Sad Leyla na Galeria Lisson, em Londres. Em 13 de fevereiro de 2011, ele e Nicola Formichetti colaborou com Lady Gaga na 53ª Annual Grammy Awards. Além de suas coleções de moda Chalayan também tem sido reconhecido por seus filmes curtos, como Absent Presence, que representou a Turquia na 51ª Bienal de Veneza em 2005 e Ambimorphous exibido no Modo Natie em Antuérpia em 2002.
.
.
.
.
.
.
.
source: archicraicblogspot

Chalayan is widely recognised as being far more than a Fashion Designer; with his desire to span all design disciplines in his work, and from seeing the results that this desire produces, it would be a crime to pigeon-hole him into one category.

So what is it that makes him so vastly different?
He’s not like McQueen in the sense that he uses art & architecture to create controversial fashion, instead, Chalayan uses fashion to create miniaturised architecture. His work carries a real spatial quality; his collections create the effect of clothing that is inhabited as opposed to being worn.
Through exploring technology & space, the garments interact with their wearer, surrounding & enclosing them in a wealth of texture & materiality. He uses the architects palette of materiality to create his garments, his catalogue including a series of plastic, electrically wired & wooden garments; from light-up & moving dresses to his most famous wooden “table skirt” (so well-known that he himself is now tired of speaking about it).

To many Chalayan’s ideas could be viewed as crazy little quirks but to an architect his work is an incredible learning tool (Chalayan is often used in Architecture School curriculums), His clothing exhibits a great understanding of the human form & proportion, he knows exactly how manipulating space & light can drastically alter the human perception & emotion. He is so much more than a designer exploiting a shock or controversy factor, he is teaching us how to understand our interaction with the world around us, making us see how our decisions can & will affect the context of our daily lives.

He studies the world & its culture and by using form, materiality, space, light & context he produces a wondrous & technologically advanced structure that encases us to secure & protect us in our everyday. And if that’s not a true architect then I don’t know what is…
.
.
.
.
.
.
.
source: insightruckstuhl

Hussein Chalayan wurde in Zypern geboren und schloss 1993 an der Londoner Central St. Martins School of Art and Design ab. Bereits 1994 gründete er sein eigenes Mode­label und in den Jahren 1999 und 2000 wurde er zum British Designer of the Year ernannt. Seit 2002 zeigt er seine Kollektionen in Paris und 2008 wurde er zum Creative Director von Puma berufen. Chalayans Kreationen zeichnen sich durch innovatives Design, wunderschöne Schnitte und ein puristische Ästhetik aus. Museen auf der ganze Welt widmen ihm Ausstellungen, unter anderem das Museum of Modern Art, New York, das Musée de la Mode et du Textile, Palais du Louvre, Paris oder das Museum of Contemporary Art, Tokyo. Neben seinem Modedesign macht Hussein Chalayan Filme und ist in Theater- und Tanzproduktionen involviert.
.
.
.
.
.
.
.
source: wikipedia

Chalayan nació en Nicosia en 1970 y se graduó del instituto Türk Maarif Koleji de esa misma ciudad. Se mudó con su familia a Inglaterra en 1978, obtuvo la ciudadanía británica y comenzó a estudiar Diseño en Londres.

Su colección de titulación de 1993, llamada The Tangent Flows (La tangente fluye) contenía ropa que había enterrado y desenterrado del patio de su casa. Casi instantáneamente, todas las prendas fueron compradas y exhibidas en la lujosa tienda Browns de Londres.

Su nombre Hussein es una versión anglicada de «Hüseyin», que es el quivalente turco del nombre árabe «Husayn». «Hüseyin» es un nombre común entre los turcos desde que el nieto de Mahoma —fundador del islam— fuera bautizado como Husayn. Por otra parte, su apellido, Chalayan, es la versión anglicada de «Çağlayan», que significa (en idioma turco) ‘catarata’.

En 1995, Chalayan y cien colegas compitieron por un premio de diseño de moda. En el concurso, organizado por la compañía Absolut, Chalayan, de entonces 25 años, ganó £28.000 para desarrollar sus creaciones que serían exhibidas en la Semana de la Moda de Londres en 1995.

También en 1995, Chalayan trabajó con la vanguardista cantante Björk. La célebre chaqueta blanca que ella luce en la portada de su álbum Post fue diseñada por él. Chalayan también contribuyó con la gira musical de Post, prestando varias de sus creaciones para que Björk las usara durante los shows. Por su parte, la cantante modeló en el desfile de Chalayan durante la Semana de la Moda de Londres.

En 1998, mientras aún diseñaba su colección insigne, fue contratado por la empresa neoyorquina TSE como asesor de diseño, cargo que ocupó hasta el 2001.
.
.
.
.
.
.
.
source: lesartsdecoratifsfr

Né à Nicosie en 1970, Hussein Chalayan fait ses études à Chypre puis s’établit à Londres où il obtient, en 1993, le diplôme de la Central St. Martins College. L’année suivante, il crée sa maison et présente sa première collection avec les « Buried Dresses » : série de robes inhumées dans un jardin trois mois avant le défilé totalement métamorphosées par l’oxydation et l’altération des tissus. Cette présentation suscite un vif étonnement et les critiques sont unanimement élogieuses. Depuis, Hussein Chalayan ne cesse de surprendre et d’intriguer devenant l’une des figures les plus avant-gardiste de la mode britannique.

Créateur engagé, il sait imposer sa lecture de la mode, proposant une prise de conscience sur les enjeux de notre civilisation. Son engagement sur les grands sujets de société, n’est jamais là pour dénoncer, mais propose plutôt une quête spirituelle susceptible, un jour peut-être, de modifier le cheminement du monde. Cependant, Hussein Chalayan est conscient que ses collections doivent être portables et que les clientes ne cherchent pas nécessairement à connaître son processus créatif.

De collection en collection, il raconte sa formation intellectuelle, dévoile ses origines multiculturelles et s’interroge sur le monde. Ses influences font référence à son histoire personnelle, empreinte de voyages et de déracinements, et aux problèmes de société comme les conflits dans le monde. En pleine guerre du Kosovo, il imagine After Words (automne-hiver 2000), une collection faisant référence aux exilés et aux réfugiés en fuite, incarnant le statut de déraciné de l’homme contemporain. D’autres collections nous renvoient à la folie destructrice des hommes. Ventriloquy (printemps-été 2002) utilise la couleur rouge qui rappelle autant la simple beauté des coquelicots que le sang des soldats morts à la guerre.

La déclinaison d’une robe traditionnelle turque dont les éléments ethniques sont petit à petit relayés, au fil des passages lors du défilé, par des compositions occidentales caractérise la collection Ambimorphus (automne-hiver 2002). Quelques années après, le phénomène s’inverse. Les vêtements montrent le paysage urbain londonien et l’influence du monde qui nous entoure dans le défilé Earthbound (automne-hiver 2009). Ses collections se répondent par attractions réciproques et produisent les interactions à partir desquelles il fonde ses créations futures. Dans ses défilés, les corps, les voix, la musique, la lumière, le décor et la collection laissent le sentiment d’un témoignage autobiographique. Hussein Chalayan explore ainsi les interactions entre nature, culture et technologie, transformant ses idées en monuments.

Le défilé Temporal Meditations (printemps-été 2003) a, par exemple comme toile de fond, l’image d’un avion, symbole de la vitesse et image récurrente de son travail. Parmi ses robes les plus emblématiques, Remote Contrôle dress, avec sa structure lisse et blanche, amovible, semble directement sortie d’une usine aéronautique. Hussein Chalayan enquête également sur le monde, sa vitesse et son évolution. De même, Inertia (printemps-été 2009) symbolise la rapidité du déplacement où les motifs utilisés sont empruntés à l’univers de l’automobile. Hussein Chalayan n’ignore pas non plus l’univers domestique. La collection Repose (automne-hiver 2006), renvoie au cadre rassurant de l’habitat où l’artiste a incorporé aux vêtements des éléments du mobilier de la maison.

Hussein Chalayan cherche dans de multiples disciplines artistiques de féconds dialogues qui oscillent entre poésie, quête de sérénité et vivacité des mouvements. Il explore constamment de nouveaux champs de réflexion, s’interroge sur l’habit comme sur le corps qui le porte, redéfinit le contour du vêtement comme son rôle social n’oubliant jamais de rappeler que l’environnement tient, dans son travail, une place aussi importante que la recherche formelle.
.
.
.
.
.
.
.
source: fashion-pressnet

ブランドのはじまり
1995年、ロンドンコレクションに「フセイン チャラヤン」デビュー。

フセイン チャラヤンについて
デザイナーのフセイン・チャラヤン(Hussein Chalayan)は1970年、キプロスのニコシアに生まれる。トルコ系キプロス人を両親に持つ。母国語はトルコ語。

12歳で両親が離婚、父に引き取られてチャラヤンはイギリスに渡る。それ以降、父はイギリスでレストランを経営。中等教育を受けた後、リーミントン・スパにある大学の基礎コースに進学。そこで「肉の切身をプリントした布」を思いつき、それが認められ、セントマーチンズに入学。

セントマーチンズの卒業コレクション「土中に埋められていた服」で一躍注目を浴びる。卒業コレクションは後にブラウンズのショーウィンドウを飾ることとなる。
※「土中に埋められていた服」:卒業コレクション用の服を庭の土の中に埋め、それがどのように腐敗していくかを研究したもの。

1995年、ロンドンコレクションにて自身の名を冠したブランド「フセイン チャラヤン(Hussein Chalayan」でデビュー。同年、ロンドン・ファッションデザイン・アワード受賞。98年、セイ・ニューヨーク(TSE New York)のデザイナーに就任。これを3年間勤める。

99年、2000年と2年連続でブリティッシュ・デザイナー・オブ・ジ・イヤーを受賞。2001S/Sにスポンサーが倒産。イタリアのジボ・コー社(オンワード樫山子会社)の資金協力を得て資金難に陥ったブランドを立て直す。

2002S/Sより発表の場をパリに移して復帰。2003年、英国王室御用達の宝飾老舗ブランド、アスプレイの新規立上げプレタポルテラインのクリエイティブ・ディレクターに就任。また同年、フレグランスも発表。

2008年、プーマのクリエイティブディレクターに就任。2009年、ジェイ ブランド(J BRAND)とコラボで3スタイルのデニムを発表。

2010年春夏シーズンからはプーマとコラボレーションで「アーバンモビリティー(urban mobility)」を発表。2012年春夏コレクションよりブランド名を改名し「チャラヤン(Chalayan)」とすることを発表。

※注:キプロスはチャラヤンの作品世界に大きな影響を与えている。キプロス島は74年、ギリシア系住民のクーデターがきっかけでトルコ軍がキプロスに侵攻。主にキリスト教を信仰するギリシャ系住民と、イスラム教を信じるトルコ系住民で島が南北に分裂した。現在キプロス共和国という国はあるが、1983年以降、トルコのみが承認する「独立国家」北キプロス・トルコ共和国は南北の分離を主張している。チャラヤンは国境地帯で育ち特異な文化の下で育つ。