RYOICHI KUROKAWA

黒川良一

Rheo-5-horizons

ARS ELECTRONICA 2010 | repair - sind wir noch zu retten

source: fileorgbr

Abstract:
“Rheo: 5 horizons” is an audiovisual installation which is composed of 5 flat-panel-displays and 5 multi-channel speakers. It provides the space to rediscover the sonic movement, position, and the relation between ego and sound. These resonances have an impact on sensory perception and it is developing a similar synesthetic experience. The sounds is added a width and a depth via an integration of auditory and visual sense and it builds spatial audiovisual construction which gives a renewed recognition of space. The term “rheo” in the title means flow, current, stream from the Greek word. And this work translates temporal and spatial transition to audiovisual motion as dynamic fluid. It embodies the notion of fluid time by utilizing audiovisual composition in space. The integration of imagery and sound lays out spatially temporal movement, direction, speed, shapes, colors, weights, and textures on parallel time-line. It puts the dynamic of moving sounds and imageries into the form of diagram. The multiple layered sounds and images are building the time sculpture in cycle time of 8 minutes loop.
Biography:
Ryoichi Kurokawa is a young audiovisual artist from Osaka (Japan). He declines vibrant and refined universes through clips, albums, installations, and performances, where glitch minimalism breaks up and re-assembles in more complex and vertiginous structures. Kurokawa was born in 1978 in Osaka. In 1999, he started creating video and sound work and presented audiovisual work, installations and screenings in various art, music and film festivals. Recently Kurokawa won the prestigious Golden Nica 2010 – Prix Ars Electronica (Linz) in the category of Digital Music & Sound Art with his latest pentaptych audiovisual installation ‘rheo: 5 horizons’ produced by Cimatics.
.
.
.
.
.
source: flickr

rheo: 5 horizons / Ryoichi Kurokawa

Kurokawa conceives his audiovisual works as timebased sculptures. The work’s title, “rheo,” is derived from the Greek word meaning “river” or “to flow.” In this sense, the audio & video recordings of real landscapes undergo seamless transitions into graphic analyses or re-syntheses of them. The result is a sort of landscape “under observation.”
.
.
.
.
.
.
source: fileorgbr

Abstract:
“Rheo: 5 horizons” é uma instalação audiovisual composta por 5 displays em painéis planos e 5 alto-falantes com múltiplos canais. Cada imagem em sentido vertical é casada com um som em canal mono, e cada vídeo é sincronizado com um áudio. Eles ficam justapostos, alinhados como um conjunto de 5 elementos, e se comportam como 5 aparatos audiovisuais independentes. Sintetizada com o movimento da imagem, a cognição espacial do som pode ser intensificada. Ou seja, um comportamento imagético indica a posição inicial, a direção e o impulso do som. Isso faz com que o espaço redescubra o movimento e a posição do som, e a relação entre ego e som. Essas ressonâncias exercem um impacto sobre a percepção sensorial, o que desenvolve uma experiência sinestésica semelhante. O som ganha amplitude e profundidade por meio de uma integração dos sentidos auditivo e visual, e forma uma construção audiovisual espacial que propicia um novo reconhecimento do espaço. O termo grego “rheo” no título significa fluxo, corrente, jorro, e esta obra traduz a transição temporal e espacial para o movimento audiovisual como um fluido dinâmico. Incorpora também a noção de fluidez do tempo utilizando a composição audiovisual no espaço. A integração de imagem e som define o movimento temporal espacialmente, a direção, a velocidade, as formas, cores, pesos e texturas na linha de tempo paralela. E coloca a dinâmica de sons e imagens mutantes em forma de diagrama. Os sons e imagens com múltiplas camadas montam a escultura do tempo em um ciclo formado por um loop de 8 minutos.

Biography:
Nascido em 1978 em Osaka, Ryoichi Kurokawa é um artista audiovisual japonês que, desde 1999, cria universos vibrantes e refinados em clipes, discos, instalações e performances, nos quais o minimalismo glitch se rompe e se reagrupa em estruturas mais complexas e vertiginosas. Vem apresentando obras, instalações e projeções audiovisuais em diversos festivais de cinema, música e arte. Foi agraciado recentemente com o prestigioso Golden Nica 2010 – Prix Ars Electronica (Linz), na categoria de Arte Sonora e Música Digital, por sua mais recente instalação audiovisual com cinco módulos “rheo: 5 horizons”, produzida pela Cimatics.
.
.
.
.
.
source: deepbeep

Sobre Ryoichi Kurokawa – Nascido em Osaka, no Japão, e hoje residente na capital alemã, Kurokawa vem desenvolvendo desde 1999 inúmeros projetos de cinema com novos formatos e disposições de telas, imagens abstratas, e batidas minimalistas pautadas por interferências sonoras. Desembarcando no Brasil para se apresentar no Festival Multiplicidade, Kurokawa já passou por importantes festivais e museus nos Estados Unidos, na Ásia e na Europa, como o Tate Modern (Inglaterra), a Bienal de Veneza (Itália) e o Sonar (Espanha), o Mutek (Canadá) além do Ars Eletronica. O artista também já trabalhou em apresentações de músicos como o compositor japonês Ryuichi Sakamoto.
.
.
.
.
.
.

source: ryoichikurokawa

Biography
Japanese artist, born in 1978, lives and works in Berlin, Germany. Kurokawa’s works take on multiple forms such as installation works, recordings, and concert pieces. He composes the time sculpture with the field recordings and the digital generated structures, and reconstructs architecturally the audiovisual phenomenon. In recent years, his works are shown at international festivals and museums including Tate Modern[UK], Venice Biennale[IT], Transmediale[DE], and Sonar[ES]. In 2010, he was awarded the Golden Nica at Prix Ars Electronica in the Digital Musics & Sound Art category.
.
.
.
.
.
.
.
source: thecreatorsproject

Most audiovisual work involves screens of some description and often those screens are at the back of a stage with a bank of audio equipment and wires set up in front of them. But Ryoichi Kurokawa’s piece Oscillating Continuum shrinks this right back to create a hypnotic audiovisual sculpture set in a gallery space.

Two screens housed in conjoined boxes show a horizontal red line that comes pulsing to life with the crackling audio, as waves of abstract shapes and intricate linear patterns breakout across the white background.

The piece’s minimalist setup causes the viewer to focus their attention even more than they would watching it on a stage, making the sudden movements, the splintered but detailed graphics, and the eruption of seething forms even more startling. Much like Kurokawa’s other work, the piece gives an almost tangible presence to the low humming drone and hiss of the music.
.
.
.
.
.
.
.
source: multiplicidade

Ryoichi Kurokawa é um artista audiovisual japonês residente em Berlim, cujos trabalhos audiovisuais se desdobram em instalações e performances. O artista captura paisagens naturais que ele mesmo interfere de forma tecnológica através de softwares específicos para abstração de sentidos.

Também responsável pela composição dos temas minimalistas, Ryoichi se inspira e tem como seu campo investigativo a natureza em imagens como cachoeiras ou em paisagens urbanas, como prédios. Seu trabalho, como ele mesmo frisa, se dá pela hibridização de capturas analógicas junto à essas interferências e tratamentos digitais.

Por isso, Ryoichi define suas peças (como Rheo, que será apresentado no Multiplicidade dia 27 de Setembro) como esculturas que utilizam algo que nenhuma outra forma de arte pode: o tempo.

Segundo o artista, toda e qualquer peça criada por ele possui uma história e uma narrativa pela qual ele tem a pretensão de demonstrar alguma idéia ou abstração ao público através de apenas suporte imagético e sonoro. Como ele próprio diz, “O idioma de áudio-visual pode ser visto como um verdadeiro vernáculo contemporâneo global.”

Seus filmes parecem como se estivéssemos em um sonho acordado onde, de repente, ocorre o congelamento de imagens e desfoques ópticos.

Uma cachoeira se forma simultaneamente nas três telas, rios fluem no meio de penhascos em claro-escuro, em um universo abstrato de rizomas gráficos e pixels evanescentes, desenvolvendo uma narrativa cinematográfica inquieta criada pelo artista. Acompanhando essas improváveis ligações visuais entre a natureza e modernidade, uma música eletrônica como mínimo granular aumentando a espacialidade através de um sistema de som 5.1.
.
.
.
.
.
.
.
source: expandedviewit

Ryoichi Kurokawa è uno degli ambasciatori nel mondo della seconda ondata di artisti giapponesi della post-digital art.
Il suo lavoro nasce,come nella migliore tradizione orientale, da un attento studio delle condizioni iniziali, un sapiente modo di trovare possibili coerenze fra media e pratiche,ed un dominio tecnico degno di qualsiasi maestro marziale nipponico.
Reimpasta le sue urgenze in diverse forme:dalla performance, al video all’installazione, senza mai mutare i suoi elementi chiave.
Questa sicuramente un altra chiave di lettura importante per l’opera di Ryoichi.
Una straordinaria capacità di giocare con tutti gli elementi, senza lasciar perdere loro un briciolo di identità ed intensità.
Forse è l’acrobazia piu difficile,che sembra divenire naturale nei suoi lavori.

Il punto d’origine dei lavori di Kurokawa è sempre la natura.
La sua piu grande ispirazione.
Questo sembrerebbe incredibile per un artista iper-techno cresciuto nell’emisfero digitale del mondo dell’arte.
Kurokawa disegna, sugli elementi del naturale, architetture estetiche digitali figlie della subculture che ha ibridato lo scenario dal quale esce,una lunga fila di artisti orientali cresciuti in artisticamente nel vecchio continente dove hanno provocato lo scontro fra culture millenarie ed apparentemente distanti.
Quello che piu va riconosciuto a questi artisti è proprio di aver trovato una sinestesia fra mondi lontani.

A guardarlo da vicino il lavoro di Kurokawa è tutto proteso verso l’azione di rompere delle soglie. Dei limiti. Fra Naturale ed artificiale,fra performance ed esposizione,fra installazione e sound art. In quell’ interstizio fra visione ed ascolto,
fra suono ed immagine Kurokawa costruisce i suoi mondi e quello che fa è curare le distorsioni del mondo. Come un alchimista prende suono ed immagine,luce e rumore e con un minuzioso,spietato,preciso ed instancabile lavoro ripara il mondo,ricostruendo una nuova Natura. Lo fa creando armoniche distopie digitali,che immergono lo spettatore in un luogo sconosciuto, che non è un installazione,che non è un live set, ma l’orizzonte di un linguaggio ancora sommerso e segreto.

“l’uomo è dunque un’immagine in uno specchio, un riflesso dei quattro elementi e la scomparsa dei quattro elementi comporta la scomparsa dell’uomo. Ora, il riflesso di ciò che è esterno si fissa nello specchio e permette l’esistenza dell’immagine interiore: la filosofia quindi non è che scienza e sapere totale circa le cose che conferiscono allo specchio la sua luce. Come in uno specchio nessuno può conoscere la propria natura e penetrare ciò che egli è (poiché egli è nello specchio nient’altro che una morta immagine), così l’uomo non è nulla in sé stesso e non contiene in sé nient’altro che ciò che gli deriva dalla conoscenza esteriore e di cui egli è l’immagine nello specchio. “
Paracelso
.
.
.
.
.
.
.
.
source: clubberia

日本を代表する映像/音響アーティストの黒川良一。1999年より映像および音楽作品の制作を開始して以来、メディアアートをとりまく国内外の様々なアート・フェスティバルにおいてインスタレーション展示、オーディオビジュアル作品の上演を行う。過去の展示、上演には、イギリスのTate Modern、イタリアのVenice Biennale、ドイツのTransmediale、そして本国バルセロナのSonar等がある。またヒューマン・オーディオ・スポンジ(元YMO: 現Sketch Show + Ryuichi Sakamoto)などのミュージシャンの為にライブビジュアルの上演も行っている。2010年にはアルス・エレクトリカのゴールデン・ニカを受賞するなど世界的な評価を受ける彼が、本邦初公開となる新作[cm: av_c 2]を披露する