Chloé Moglia

Horizon
O limbo está no centro da arte de Chloé Moglia. Seja como integrante da Compagnie Rhizome, solo ou em produções conjuntas, a artista está sempre preocupada com a leveza. Em suas performances, que combinam força física e poesia, ela derrota as leis da gravidade e o medo das alturas. Além disso, ocorrem reflexões sobre o tempo, principalmente pela lentidão de seus movimentos. Chloé Moglia transita entre a disposição de arriscar e a busca de sentido e empolga o público ao brincar com o medo da queda. A performance de Chloé Moglia aqui apresentada intitula-se Horizon. O nome desta obra-prima física, criada em 2013 por encomenda do Festival Paris Quartier d’Été, foi escolhido de forma excelente. Horizon é um jogo entre o trapézio e uma estrutura esguia que serve tanto como elemento escultural quanto como elemento de sustentação. Nesta constelação, Moglia cria um espetáculo leve que se encaixa perfeitamente em seu entorno.

Zheng Da

A linguagem irrestrita das máquinas
O hipercubo tem 3 metros de comprimento e consiste em uma faixa de LED personalizada de 168 metros, incluindo 22.848 LEDs. Uma vez que o contato dos participantes. O batimento cardíaco será capturado pelo dispositivo de iluminação, que mudará a animação da luz. O ritmo do batimento cardíaco humano é visualizado pela máquina. A máquina engolfa os traços físicos dos seres humanos que se dissipam. Na verdade, essa experiência ocorre a cada momento da vida cotidiana. As animações de luz e som também estão vinculadas aos dados meteorológicos locais, formando a sociedade do espetáculo pós-humano. A máquina respira e a natureza reage.

PHILIPPE MÉNARD

COMPAGNIE NON NOVA
P.P.P.

A artista francesa Philippe Ménard discute sexo e identidade através da fusão do gelo no espetáculo “P.P.P” – Position Parallèle au Plancher, que, traduzindo para o português, quer dizer: posição paralela em palco. Uma instalação composta de três refrigeradores grandes, robôs gigantes, malabares e um teto de gelo, que derrete durante a apresentação, serve de cenário para a performance.

CHLOÉ MOGLIA

Perigos
Longe do espetáculo da disciplina, Chloé Moglia transformou o trapézio em uma experiência espacial de suspensão. Uma revolução que envolve a reinvenção perpétua dos aparelhos, mas não apaga a dificuldade técnica e física. Chloé Moglia parece ter uma relação ambígua com seu aparato original: o trapézio. Uma relação de amor e ódio transcendida pela questão da suspensão. Para Aléas, o aparelho tem a forma de uma longa corda de aço com trinta metros de comprimento. As três fases do Aleas foram criadas entre junho de 2013 e fevereiro de 2015: Aléa # 1 La Ligne com Chloé Moglia, Aléa # 2 Suspensives com cinco trapezistas e Aléa # 3 Tracé com Chloé Moglia novamente. Em jogo: a intensidade, a violência, a experiência física, os códigos e outros limites da arte da suspensão para um espectáculo tripartido que fala da nossa fragilidade, da nossa condição humana.

Moment Factory

Ode à la vie
Sagrada Familia

Um grande desafio criativo e técnico foi realizado recentemente pela Moment Factory. Eles foram convidados pela cidade de Barcelona e a cidade de Montreal para criar o primeiro espetáculo de som e luz para ser projetada na complexa fachada da Sagrada Família em Barcelona. Essa apresentação multimídia de 15 minutos de duração, utilizando técnicas de mapeamento de vídeo e seu sistema de reprodução X-Now, foi apresentada dentro de La Mercè Festival em Barcelona neste fim de semana. A inspiração: para realizar o sonho de Antoni Gaudí. O arquiteto desejava que a fachada fosse cheia de cores.