Hiroshi Ishiguro

Mindar
A revolução das máquinas já chegou para a religião – pelo menos no Japão. Um templo budista na cidade de Kyoto resolveu inovar suas práticas com o intuito de se aproximar das pessoas e instalou um robô por lá. Sua função? Declamar sermões aos fiéis. Com quase dois metros de altura, o robô Mindar tem uma voz feminina e foi feito em homenagem à divindade budista da misericórdia, Kannon. As mãos, o rosto e os ombros do corpo robótico são cobertos com silicone (que imitam a pele humana). E só. Todo o resto é composto por engrenagens metálicas expostas.

JENNY MORGAN

摩根珍妮
제니 모건
ジェニーモーガン
Дженни Морган
Mother

A figura feminina é o motivo que se repete nas telas de Jenny Morgan. Os quadros, da artista norte-americana, descrevem o espaço que existe para além do labirinto representativo do realismo estético. A frieza estilística do hiper-realismo é sobrepujada, através de actos plásticos disruptivos do estatuto normativo da figura realista representada. No entanto em Jenny Morgan está sempre patente uma contenção desses actos disruptivos, não existe nunca uma total expressão desses mesmos actos.

Eylül Aslan

Isabella
A arte de Eylül Aslan é uma reação contra a opressão política e religiosa sofrida pelas mulheres, e contra as sociedades em que a sensualidade feminina é um tabu e as mulheres têm de suprimir sua sexualidade. Nascida e criada em Istambul, na Turquia, onde ela passou a estudar francês e Literatura na Universidade, a fotógrafa Eylül Aslan mudou-se para Berlim, Alemanha, onde ela continua a viver e trabalhar.