olafur eliasson

オラファー·エリアソン
اولافور الياسون
奥拉维尔·埃利亚松
אולאפור אליאסון
ОЛАФУР ЭЛИАССОН
water fall versailles
Palácio de Versalhes recebe exposição de artista islandês que conta com uma queda d’água que parece surgir do meio do nada. Componente de uma exposição que propõe alterar as silhuetas do Palácio de Versalhes, a queda d’água do Grand Canal é com certeza a mais impactante. A estrutura amarela é escondida pela corrente de água e as nuvens adjacentes, fazendo com que a queda tenha sua origem incerta, parecendo ter aparecido do nada. O artista islandês Olafur Eliasson é conhecido por seus trabalhos grandiosos que conseguem alterar toda atmosfera explorando a luz, profundidade e sensações.

RENE LALOUX

Рене Лалу
fantastic planet
El planeta salvaje (en francés La planète sauvage) es una película francesa animada de ciencia ficción de 1973 dirigida por el francés René Laloux, es hoy uno de los grandes clásicos de la animación europea. A través de una historia de ciencia ficción, el film nos sumerge en el drama de dos sociedades enfrentadas entre sí, a través de la opresión, y en el incierto destino al que se enfrentan, abocadas a la propia destrucción. A destacar, además de la trama, la impactante estética que presenta, heredera de los cánones de la época y el lugar en que fue creada.

GOTTFRIED HELNWEIN

Готфрид Хельнвайн
ゴットフリート·ヘルンヴァイン
戈特弗里德·郝文

Los dibujos de Helnwein son rayones sobre rayones, superposición de líneas que adquieren, paulatinamente, de manera ritual, formas, siluetas, objetos, espacios saturados de tinta bailando con espacios en blanco. Es impactante ver cómo de sus dibujos emergen mundos inacabados, caricaturescos, nunca definidos del todo. Lo difuso es el dios tutelar de sus dibujos, y si prestamos verdadera atención, de toda su obra, incluso cuando la nitidez fotográfica parece imponerse.

LANG/BAUMANN

لانغ باومان
郎鲍曼
랭 바우만

Com sua arte urbana exposta nas ruas das principais cidades europeias e ocupando espaços enormes e inusitados, Lang/Baumann produzem uma dinâmica de interação impactante com a arte.
Sabina Lang e Daniel Baumann são dois artistas suecos que se consolidaram através de intervenções urbanas interferindo na paisagem da cidades e produzindo uma nova interação dos habitantes com a arte e com a própria cidade. Suas obras vultosas podem ser apreciadas por um vasto público que circula pelas ruas onde, em fachadas de prédios, em ruas movimentadas, ou, ainda, em passarelas, elas são montadas/criadas. Mas os artistas não abrem mão, também, das instalações em ambientes internos, a fim de produzir uma variedade enorme de estímulos sensoriais no apreciador de arte contemporânea.
As obras dos dois artistas foram unificados em um único projeto em 1990 com a intenção de criar peças visualmente impactantes sob um único nome, Lang/Baumann. Entre suas obras de arte estão: uma grande escala de cores em asfalto urbano e em pontes conhecidas, luminárias fluorescentes, escadas inacessíveis, parasitas infláveis que invadem prédios, entre outras. Através do trabalho com geometria e a distribuição de elementos arquitetônicos as obras produzem um efeito visual deslumbrante.