Chloé Moglia

Horizon
O limbo está no centro da arte de Chloé Moglia. Seja como integrante da Compagnie Rhizome, solo ou em produções conjuntas, a artista está sempre preocupada com a leveza. Em suas performances, que combinam força física e poesia, ela derrota as leis da gravidade e o medo das alturas. Além disso, ocorrem reflexões sobre o tempo, principalmente pela lentidão de seus movimentos. Chloé Moglia transita entre a disposição de arriscar e a busca de sentido e empolga o público ao brincar com o medo da queda. A performance de Chloé Moglia aqui apresentada intitula-se Horizon. O nome desta obra-prima física, criada em 2013 por encomenda do Festival Paris Quartier d’Été, foi escolhido de forma excelente. Horizon é um jogo entre o trapézio e uma estrutura esguia que serve tanto como elemento escultural quanto como elemento de sustentação. Nesta constelação, Moglia cria um espetáculo leve que se encaixa perfeitamente em seu entorno.

FABIO ANTINORI AND ALICJA PYTLEWSKA

Contornos
O laboratório criativo baseado em Londres Bare Conductive foi convidado a se juntar aos designers Fabio Antinori e Alicja Pytlewska para desenvolver uma metáfora em grande escala para a ideia de dar vida a uma coleção de peles têxteis responsivas. ‘Contours’ está no centro da instalação de tapeçaria interativa; uma série de sensores capacitivos são aplicados aos substratos de tecido suspensos usando tinta condutora. Esses sensores reagem à presença de uma pessoa nas proximidades e rastreiam seus movimentos, emitindo uma paisagem sonora ambiente constantemente modulada que lembra os ambientes de pesquisa médica. A ornamentação geométrica abstrata conecta os sensores individuais das tapeçarias para formar painéis gigantes, servindo como um loop de feedback acústico que alude à relação entre a ciência e o corpo.

Liz Deschenes

Galeria 7
Desde o início da década de 1990, Liz Deschenes produziu um corpo singular de trabalho que avançou o potencial material e o escopo crítico da fotografia. Fazendo uso dos aspectos mais elementares do meio, ela recentemente trabalhou sem uma câmera para produzir fotogramas espelhados que refletem nossos movimentos no tempo e no espaço. Sua nova instalação investiga histórias díspares de produção, abstração e exibição de imagens, ao mesmo tempo que responde aos recursos exclusivos do site.

YING GAO

Cápsula viva
FILE FESTIVAL
Luz, variações de forma e mimetismo se encontram em Living Pod. Na frente das peças gêmeas falsas, o usuário pode lentamente colocar a vestimenta A em movimento usando uma fonte de luz. A vestimenta B então imita a peça A de forma exagerada e desequilibrada, mudando a estrutura por meio de motores elétricos em miniatura acionados por sensores de luz que são semeados na vestimenta. Usando técnicas de corte de padrão plano, Ying Gao foi capaz de dar fluidez e flexibilidade ao processo. Além dos movimentos mecânicos das roupas, Living Pods destaca dois aspectos fundamentais do sistema de moda de hoje: confronto e imitação. A vestimenta desempenha um papel mediador entre o homem e seu ambiente. Ao usar a luz, o Cápsula viva é semelhante ao projeto Walking City, que usa o ar para fazer com que as peças pareçam estar respirando.

DISNEY RESEARCH

Olhar robótico realista e interativo
“Sistema para olhar realista em interações entre humanos e robôs usando um busto humanóide Audio-Animatronics®. Trabalhos anteriores examinando o olhar mútuo entre robôs e humanos enfocaram a implementação técnica. Apresentamos uma arquitetura geral que busca não apenas criar interações de olhar do ponto de vista tecnológico, mas também através das lentes da animação de personagens onde a fidelidade e a credibilidade do movimento são fundamentais; ou seja, procuramos criar uma interação que demonstre a ilusão de vida. É descrito um sistema completo que percebe pessoas no ambiente, identifica pessoas de interesse com base em ações, seleciona um comportamento de olhar apropriado e executa movimentos de alta fidelidade para responder aos estímulos. Usamos mecanismos que imitam comportamentos motores e de atenção análogos aos observados em sistemas biológicos, incluindo habituação de atenção.” Disney Research

SIDI LARBI CHERKAOUI

Noético
Noético é o princípio que conecta um cósmico com cada consciência individual. A beleza desse conceito de ordem se reflete nos movimentos de dança expressivos de Cherkaoui, bem como nas estruturas geométricas de aço do artista visual Antony Gormley. A densidade atmosférica é intensificada por um percussionista e vocais japoneses tradicionais ao vivo. Espaço, ordem e espírito não são mostrados aqui como estruturas rígidas, mas como correntes poéticas fluindo.

WILSON SUKORSKI

Celestium
The Orqestra de Laptops de São Paulo (OLSP) is formed by ten hyper instrumentalists who “play” laptops equipped with the highest technology available, in interfaces as well in software. This orchestra generates a multimedia show entitled “EvEnTo 3 Movimentos para Orquestra”, by Wilson Sukorski.
FILE hypersonica

MARIANA MANHAES

Pisca-pisca
Meu trabalho consiste na invenção e construção de engenhocas que são comandadas por vídeos de objetos animados. Os objetos são pinçados do meu cotidiano visual: portas do meu ateliê, bules da cristaleira da sala, taças e jarros da coleção da minha mãe. Todos eles são filmados e seus movimentos enfatizados durante o processo de edição, de maneira a criar gestos caricatos semelhantes ao comportamento humano e animal. A manipulação do tempo do vídeo é determinante para a deformação das imagens, que não se resumem a meras representações do real

ARNO RAFAEL MINKKINEN

O trabalho do fotógrafo Arno Rafael Minkkinen sintetiza vários movimentos e questões da arte contemporânea, principalmente vertentes como a body art, a construção identitária e o nu masculino. Suas imagens relatam uma espécie de jornada épica – representando tanto uma aventura no mundo físico natural e urbano, quanto uma viagem psicológica galgada pelo espírito humano solitário.

ERNESTO KLAR

Эрнесто Клар
Luzes Relacionais
File Festival
“Luzes Relacionais” (Relational Lights) é uma instalação interativa audiovisual que explora a relação das pessoas com o caráter orgânico-expressivo do “espaço”. A instalação usa luz, som, neblina e um sistema de software customizado para criar um espaço-luz tridimensional de morphing (metamorfose), em que os espectadores participam ativamente, manipulando-o com sua presença e seus movimentos[…] A obra funciona como um organismo vivo, com ou sem a presença e a interação dos espectadores. Quando os espectadores saem da área de rastreamento ativo, o sistema começa seu próprio diálogo com o espaço através de extrusão e transformação de sequências de formas geométricas luminosas. Quando os espectadores penetram e interagem com o espaço-luz projetado, uma expressão coletiva e participativa do espaço se desdobra. “Luzes Relacionais” amplia o tecido tridimensional do espaço, tornando-o visível, audível e tangível aos participantes.

PHILIPPE DECOUFLE

フィリップ·ドゥクフレ
Филипп декуфле
Movimentos Festwochen