Gilles Cenazandotti

Parabolhomme

A perspectiva da clonagem e da automação – dois tópicos aos quais o artista apela em mais de suas obras – acaba levando à reinvenção da vida selvagem e faz com que o artista imagine esse reino animal derivado como consequência do consumo excessivo. A diversidade de formas e as cores chocantes criam um bestiário de animais robóticos que lutam contra os elementos naturais. Mas as esculturas revelam não apenas a dinâmica da sobrevivência; eles também mostram como os animais podem ter mudado de território e podem estar procurando encontrar mais recursos para melhorar sua própria espécie. À medida que as espécies vêem seu espaço vital diminuir, apegadas a nada natural e presas em lugares desconhecidos e irreconhecíveis, elas parecem abraçar a mutação.