RAAAF + BARBARA VISSER

O fim do sentar
“O fim do sentar” é um modelo de pensamento da vida real que questiona nossa “sociedade sentada”. A RAAAF e a artista visual Barbara Visser desenvolveram um conceito em que a cadeira e a mesa não são mais pontos de partida inquestionáveis. Em vez disso, as várias possibilidades da instalação solicitam aos visitantes que explorem diferentes posições de pé em uma paisagem experimental. “O fim do sentar” marca o início de uma fase de teste experimental, explorando as possibilidades de mudança radical para o ambiente de vida.

YANG MINHA

Meditação
FILE FESTIVAL
Se não temos o poder para reformar nosso ambiente, precisamos encontrar possibilidades de meditação usando os significantes que preenchem as cidades. “Meditação” é uma meditação prática e alternativa que só funciona quando você se deixa perder. Inúmeros símbolos estão comprimidos dentro da obra, expressos em padrões irregulares de som através das três instalações audiovisuais, e o som se transforma, formando imagens de ondas. A mídia reproduzida, ao ser comprimida e suprimida, traz mais possibilidades de pensamento e escolha do que os valores contidos em sua própria forma. Através desses processos, “Meditation” pode ser a ferramenta certa para a meditação.

CHRISTOPH DE BOECK

Céu de aço
A topografia íntima do cérebro é disposta em uma grade de 80 placas de teto de aço. O visitante pode experimentar a dinâmica de seu eu cognitivo usando uma interface de EEG, que permite que ele caminhe sob a representação acústica de suas próprias ondas cerebrais. As ressonâncias acumuladas de chapas de aço geram tons penetrantes. A distribuição espacial do impacto e a sobreposição de reverberações criam um espaço sonoro físico para abrigar um fluxo intangível de consciência. ‘Staalhemel’ (‘céu de aço’, 2009) articula a relação contraditória que mantemos com nosso próprio sistema nervoso. O feedback neurológico faz com que o foco cognitivo seja repetidamente interrompido pela representação deste foco. O pensamento concentrado tenta se retratar em um espaço que é remodelado pensando-se quase a cada fração de segundo.

CAJSA VON ZEIPEL

O trabalho de Cajsa Von Zeipel decorre de pensamentos sobre o narcisismo e a cultura da juventude; coisas como a cultura pró-ana – anorexia nervosa. Seu trabalho relaciona-se com os fortes desejos de realizar o ‘auto’, não importa a que custo.

SACHIKO ABE

Сатико Абэ
阿部幸子
幸子安倍晋三
ساشيكو ابي

Há 15 anos, a artista japonesa Sachiko Abe descobriu os efeitos calmantes ao retalhar papel e agora explora essas propriedades meditativas em forma de arte. Recentemente, ela repetiu o feito durante da Bienal de Sidney, na Austrália. “O ato de cortar é um exercício constante através do qual eu organizo e estruturo meus pensamentos aleatórios”, diz ela, cercada por uma fortaleza de papel picado. “O ritmo da tesoura, a fineza e o comprimento da tira de papel correspondem ao processo do meu pensamento e seu efeito para o corpo. Embora essencialmente pessoal, cortar papel é uma prática necessária para formular minha relação com o mundo externo”, continua Abe, que garante recuperar relações significativas com outras pessoas a partir do limite estabelecido enquanto está picotando papel.

Daniel Steegmann Mangrané

Mientras una Flor se Marchita
O trabalho que Steegmann Mangrané se compõe de sutis, poéticas e no entanto cruas experimentações que questionam a relação entre a linguagem e o mundo.Embora principalmente conceitual, suas instalações engajam com a imaginação do espectador e exibem uma forte preocupação com a existência e as características concretas das obras, ativando a linguagem abstrata como um princípio gerador de pensamento, articulador de um significado instável.

JUNYA ISHIGAMI

준야 이시가미
Cuboid Balloon

Quando olhamos para a obra Cuboid Balloon, do artista Junya Ishigami, a primeira coisa que passa pela cabeça é imaginar como uma estrutura pode parecer tão imensamente pesada e, ao mesmo tempo, parecer flutuar? Trata-se de um pensamento absurdo, mas é impossível não refletir sobre esta dualidade. O cubo gigantesco de fato está lá, flutuando, no átrio do Museu de Arte Contemporânea de Tóquio. E o mais incrível é que o balão de alumínio, que pesa uma tonelada, é capaz de pairar no ar por causa de 1.000 m³ de um outro elemento muito simples, o gás hélio.

Cajsa Von Zeipel

O trabalho de Cajsa Von Zeipel decorre de pensamentos sobre o narcisismo e a cultura da juventude; coisas como a cultura pró-ana – anorexia nervosa. Seu trabalho relaciona-se com os fortes desejos de realizar o ‘auto’, não importa a que custo.

Cajsa Von Zeipel

O trabalho de Cajsa Von Zeipel decorre de pensamentos sobre o narcisismo e a cultura da juventude; coisas como a cultura pró-ana – anorexia nervosa. Seu trabalho relaciona-se com os fortes desejos de realizar o ‘auto’, não importa a que custo.