Davide Balula

Mimed Sculptures,(Henry Moore, Moon Head)

“Artistas vestidos com uniformes brancos e luvas de manuseio de arte rosa se movem em torno de pedestais de vários tamanhos. Eles gesticulam, imitando os contornos de esculturas – Le-nez de Giacometti (1947), Hang up de Eva Hesse (1966) e Paisagem inconsciente de Louise Bourgeois (1967 -8), entre outros.
Como se fosse um jogo de charadas da história da arte, você se pega adivinhando com o que eles estão manipulando, qual é a superfície e a textura dos objetos. Através dessa performance, a nova relação sensual com essas obras é formada. No entanto, você não pode deixar de fazer a conexão com o comentário sobre a arte de manipular em si – pode o mundo da manipulação de arte, instalação de exposições e, de fato, venda de obras de arte estar se tornando tanto uma arte quanto a própria obra de arte? ” Maisie Skidmore

PHILIPPE MÉNARD

COMPAGNIE NON NOVA
P.P.P.

A artista francesa Philippe Ménard discute sexo e identidade através da fusão do gelo no espetáculo “P.P.P” – Position Parallèle au Plancher, que, traduzindo para o português, quer dizer: posição paralela em palco. Uma instalação composta de três refrigeradores grandes, robôs gigantes, malabares e um teto de gelo, que derrete durante a apresentação, serve de cenário para a performance.