Marco Barotti

Moss
Desde el inicio de la pandemia, la contaminación del aire ha disminuido en muchas partes del mundo. Asistimos a un momento sin precedentes en cuanto a reducción de emisiones industriales y huella de carbono. Moss es una escultura de sonido cinética impulsada por datos de calidad del aire generados por el Índice Mundial de Calidad del Aire. La escultura viviente está diseñada para analizar el aire de nuestras ciudades y reinterpretar los datos con patrones de respiración y paisajes sonoros en evolución. De Berlín a Bombay, Moscú y Pekín. El público puede experimentar en tiempo real la calidad del aire mundial transformada en una instalación cinética de sonido. El proyecto contribuye a la investigación global e involucra a los ciudadanos a participar en la discusión sobre la calidad del aire y la democracia de la tierra. Moss tiene como objetivo crear compromisos civiles aprendiendo de la sabiduría de la naturaleza y el servicio de la tecnología.

Julian Scordato

Constellations
File Festival
FILE HIPERSONICA

This work begins from the exploration of an imaginary celestial space which is translated into sound space. How does each celestial sphere – starting from its manifestation as a unit – interact with the cosmos where it belongs? How does it react to its law? How does it transform itself integrating with the system, until the loss of identity? In contrast to this process, the constellations act by highlighting the bodies in their uniqueness through the creation of symbolic links: beyond their meaning, they stand as a classification and articulation device of the individual within the system.
.

Questo lavoro parte dall’esplorazione di uno spazio celeste immaginario che si traduce in spazio sonoro. In che modo ogni sfera celeste – a partire dalla sua manifestazione come unità – interagisce con il cosmo a cui appartiene? Come reagisce alla sua legge? Come si trasforma integrandosi con il sistema, fino alla perdita di identità? In contrasto con questo processo, le costellazioni agiscono mettendo in evidenza i corpi nella loro unicità attraverso la creazione di collegamenti simbolici: al di là del loro significato, si pongono come dispositivo di classificazione e articolazione dell’individuo all’interno del sistema.

BJOERN SCHUELKE

Bildverarbeitungsmaschine
Björn Schülke ist von den kinetischen Skulpturen des deutschen Klangkünstlers Peter Vogel und Jean Tinguely beeinflusst und schafft komplexe vom Betrachter aktivierte Maschinen, die Bewegung, Überwachung und Klang kombinieren.

.

Björn Schülke é influenciado pelas esculturas cinéticas dos artistas sonoros alemães Peter Vogel e Jean Tinguely e cria máquinas complexas ativadas pelo espectador que combinam movimento, vigilância e som.

.

Björn Schülke is influenced by the kinetic sculptures of the German sound artists Peter Vogel and Jean Tinguely and creates complex machines activated by the viewer that combine movement, surveillance and sound.

MERCE CUNNINGHAM

Centenário
O Joyce Theater comemorou o centenário de Merce Cunningham, “um dos grandes iconoclastas da arte do século 20” (The New York Times), que teria completado 100 anos em 2019. Três companhias excelentes executam obras-primas do vasto repertório do artista, cada uma dançada ao som de música ao vivo.

COD.ACT

Coro pêndulo
Pendulum Choir é uma peça coral original para 9 vozes A Cappella e 18 macacos hidráulicos. O coro é constituindo por um corpo vivo e sonoro. Esse corpo se expressa por meio de vários estados físicos. Sua plasticidade varia de acordo com sua sonoridade. Varia entre sons abstratos, sons repetitivos e sons líricos ou narrativos. Os corpos dos cantores e suas vozes brincam com e contra a gravidade. Eles se tocam e se evitam, criando polifonias vocais sutis. Ou, apoiados por sons eletrônicos, rompem sua coesão e explodem em um voo lírico ou se dobram em um ritual obsessivo e sombrio. O órgão viaja da vida à morte em uma alegoria robótica onde a complexidade tecnológica e o lirismo dos corpos em movimento se combinam em uma obra com acentos prometéicos.

CHRISTOPH DE BOECK

Céu de aço
A topografia íntima do cérebro é disposta em uma grade de 80 placas de teto de aço. O visitante pode experimentar a dinâmica de seu eu cognitivo usando uma interface de EEG, que permite que ele caminhe sob a representação acústica de suas próprias ondas cerebrais. As ressonâncias acumuladas de chapas de aço geram tons penetrantes. A distribuição espacial do impacto e a sobreposição de reverberações criam um espaço sonoro físico para abrigar um fluxo intangível de consciência. ‘Staalhemel’ (‘céu de aço’, 2009) articula a relação contraditória que mantemos com nosso próprio sistema nervoso. O feedback neurológico faz com que o foco cognitivo seja repetidamente interrompido pela representação deste foco. O pensamento concentrado tenta se retratar em um espaço que é remodelado pensando-se quase a cada fração de segundo.

ANDREAS LUTZ

Supremacía Binaria
Supremacía Binaria es la continuación del anterior álbum de Lutz, Zwölftonform, de 2016. La investigación inicial y la visualización de sonidos abstractos ahora condujeron a un paisaje sonoro más concreto, rítmico y narrativo.

Cod.Act

振り子の合唱団
Pendulum Choir

Pendulum Choir is an original choral piece for 9 A Cappella voices and 18 hydraulic jacks. The choir stands on tilting platforms, constituting a living, sonorous body. That body expresses itself through various physical states. Its plasticity varies at the mercy of its sonority. It varies between abstract sounds, repetitive sounds, and lyrical or narrative sounds. The bodies of the singers and their voices play with and against gravity. They brush and avoid each other creating subtle vocal polyphonies. Or, supported by electronic sounds, they break their cohesion and burst into lyrical flight or fold up into an obsessional and dark ritual. The organ travels from life to death in a robotic allegory where the technological complexity and the lyricism of the moving bodies combine into a work with Promethean accents.

Evan Ifekoya

Ritual Without Belief
Ifekoya ha concebido el espacio de Gasworks como un lugar de acumulación en el que se cruzan diversas posiciones y proposiciones a partir de una gran instalación de sonido que explora cómo crear las condiciones para la polivocalidad. La artista describe su trabajo sonoro como “un algoritmo queer negro a través de generaciones, ubicaciones y afiliaciones políticas”.more

Kian-Peng Ong

Ong Kian-Peng
Coronado
FILE FESTIVAL

“Coronado” foi inspirada em uma visita à praia de Coronado, na Califórnia, a qual foi um momento inspirador jamais sentido em outras praias. A paisagem sonora presente em Coronado parecia vir de todas as direções, com múltiplas camadas de ondas sonoras. Decidi então que iria fazer um trabalho sonoro que traduzisse esta experiência. Esta instalação sonora é caracterizada pela interação entre as fontes sonoras analógicas e digitais que se sobrepõem, explorando a ideia de uma paisagem marítima. O cerne da instalação é um tambor oceânico controlado por braços mecânicos, que cria e simula o som das ondas do mar. Isso é captado pelo microfone, reprocessado através do computador e enviado para as caixas acústicas de 6 canais em tempos diferentes. A interação e a sensação de infinitude na sobreposição do analógico e do digital são minha interpretação e resposta ao maravilhamento que senti em Coronado.

KONRAD SMOLEŃSKI

Everything Was Forever, Until It Was No More

Konrad Smoleński represents Poland at the Venice Art Biennale 2013. His monumental installation in the Polish Pavilion in the Biennale’s Giardini is titled Everything Was Forever, Until It Was No More. The work is a continuation of the previous explorations of Konrad Smoleński, who focuses his interest on sound. Two church bells that have been cast especially for this exhibition are at the center of the installation. Two walls of loudspeakers and other elements complete the work. In regular intervals, the traditional bronze bells, full-range speakers and other sonorous objects play a symphony. The create both a visual and aural experience, where the delaying and modifying of the initial sound of the bell is important. The exhibition Konrad Smoleński: Everything Was Forever, Until It Was No More is curated by Daniel Muzyczuk and Agnieszka Pindera.
.