HITO STEYERL

태양의 공장
2015년 베니스 비엔날레 독일관에서 데뷔한 이 몰입형 작품에서 슈타이얼은 전례 없는 글로벌 데이터 흐름으로 정의되는 순간에 이미지 순환의 즐거움과 위험을 탐구합니다. 뉴스 보도, 다큐멘터리 영화, 비디오 게임, 인터넷 댄스 비디오 등 장르 간 충돌 – 태양의 공장은 빛과 가속을 모티브로 감시가 점점 더 가상의 일상적인 부분이 되었을 때 집단 저항에 여전히 사용할 수 있는 가능성을 탐구합니다. 세계. 태양의 공장은 모션 캡처 스튜디오의 강제 이동이 인공 햇빛으로 변하는 노동자의 초현실적 인 이야기를 전합니다.
.
Fábrica del sol
En este trabajo inmersivo, que debutó en el Pabellón Alemán de 2015 en la Bienal de Venecia, Steyerl explora los placeres y peligros de la circulación de imágenes en un momento definido por el flujo global de datos sin precedentes. Rebotando entre géneros (reportajes de noticias, películas documentales, videojuegos y videos de baile en Internet), Factory of the Sun utiliza los motivos de la luz y la aceleración para explorar qué posibilidades están todavía disponibles para la resistencia colectiva cuando la vigilancia se ha convertido en una parte mundana de una realidad cada vez más virtual. mundo. Factory of the Sun cuenta la historia surrealista de trabajadores cuyos movimientos forzados en un estudio de captura de movimiento se convierten en luz solar artificial.

Militsioner

Militsioner Game (Милиционер Игра)
“Para os não iniciados, o militante (mилиционер, “Militsioner”) era um análogo da polícia nos tempos soviéticos. O cenário visual nos irradia diretamente para uma época stalinesca (ou pós-Stalin). A referência óbvia aqui é ao Big Brother e fala muito.
Isso justificado a paranóia kafkiana – ser inocente, mas perseguido e fugitivo – encontra um lar em cada época: repressão na época de Stalin, perseguição pelos nazistas e sua Gestapo, e até mesmo contextos atuais (estamos vendo vários exemplos nos EUA, Rússia , China, Turquia e todos os outros domínios distópicos com vários graus de medidas autoritárias e mecanismos de vigilância avançados). Nesse contexto, a paranóia não é uma condição mental, mas um estado da sociedade , causada pela forma como o poder é exercido.” Vlad Alex

BJOERN SCHUELKE

Bildverarbeitungsmaschine
Björn Schülke ist von den kinetischen Skulpturen des deutschen Klangkünstlers Peter Vogel und Jean Tinguely beeinflusst und schafft komplexe vom Betrachter aktivierte Maschinen, die Bewegung, Überwachung und Klang kombinieren.

.

Björn Schülke é influenciado pelas esculturas cinéticas dos artistas sonoros alemães Peter Vogel e Jean Tinguely e cria máquinas complexas ativadas pelo espectador que combinam movimento, vigilância e som.

.

Björn Schülke is influenced by the kinetic sculptures of the German sound artists Peter Vogel and Jean Tinguely and creates complex machines activated by the viewer that combine movement, surveillance and sound.

Jonathan Santana & Xander Smith

Conheça seu criador
Uma performance teatral ao vivo / escultura de luz cinética com drones quadrotor, LEDs, espelhos motorizados e faróis em movimento dançando em uma alegre celebração de balé robótico da tecnoespiritualidade. Explorando UAVs (veículos aéreos não tripulados) semi-autônomos programados por computador como um meio de desviar e desviar a luz e criar esculturas de luz flutuantes dançando ao som da música. Máquinas que tradicionalmente são fornecedores de vigilância e opressão; são artisticamente redefinidos para serem fornecedores de música, dança, alegria, celebração e criatividade.