OLIVIER RATSI – ANTIVJ

Casca de cebola
Baseando-se principalmente na experiência da realidade e nas representações da percepção do espaço, Olivier Ratsi considera a realidade objetiva, o tempo, o espaço e a matéria como noções intangíveis de informação. Seu trabalho consiste em desenhar processos de descontinuidade com essas noções para poder compartilhar com o espectador outro ponto de vista. Através deste processo, Ratsi cria uma ruptura nesta realidade objetiva, alterando nossa percepção da realidade. No entanto, esta ruptura significativa e inquietante é moderada o suficiente para não privar o espectador da sua capacidade subjetiva de reconstrução / reconstituição da realidade, através da sua experiência e da sua própria cultura. o papel de desencadear emoções, que não se destinam apenas a mostrar o que as coisas podem ser de outra forma, mas sim a questionar as suas referências.

Rudolfo Quintas

SWAP
SWAP é uma performance audiovisual interativa para palco criada no cruzamento entre a dança e a visualização de movimento. A performance explora o conceito do corpo como sistema autopoiético intimamente ligado ao seu contexto, onde a mente, as emoções, o sistema nervoso e meio ambiente são um só – o corpo. Um organismo em permanente recursividade, regeneração e transformação, principio enunciado pelos biólogos Maturana e Varela. Em SWAP a visualização artística do movimento expõe os fluxos invisíveis que percorrem o interior e exterior do corpo, de acordo com a nossa percepção micro ou macro alteram a nossa leitura e compreensão da realidade. São geradas animações interactivas compostas por milhares de partículas em constante movimento que reflectem a relação entre o corpo do performer.

CÉCILE B. EVANS

lower pop installation

A prática de Cécile B Evans examina a maneira como a sociedade contemporânea valoriza as emoções. Muitas vezes desafia os valores sociais “objetivos”, regidos por padrões comumente reconhecidos e expressos em formas mutuamente acordadas, favorecendo a experiência pessoal e o subjetivo. Ela está interessada na tensão entre “o que se passa na sua cabeça, realmente, e no seu coração, realmente” (Robert Brenton e David Newman, ‘o novo Sentimentalismo’, 1964) e uma sociedade moderna que tem consistentemente tentado definir o eu -expressão em termos hierárquicos, ainda apoiada pelos efeitos democratizantes da tecnologia digital.