Martin Backes

Music Automats
“Music Automats é uma instalação de som robótica autônoma. A peça é composta por diversos instrumentos robóticos, construídos a partir de instrumentos acústicos, objetos do cotidiano, motores, componentes eletrônicos, peças de madeira e metal. LEDs nos instrumentos visualizam o som. O resultado é um mundo de som futurista totalmente automatizado que também é visualmente único devido aos instrumentos e robôs construídos por nós mesmos. A obra explora a coevolução do homem e da máquina, um futuro em que já nos encontramos.” Martin Backes

Jim Chen-Hsiang Hu

Hu atualmente aplica suas técnicas ao reino da moda, mas não necessariamente vê a tecelagem em 3D como algo restrito a esse campo. Ele diz: “Poderia ter um futuro possivelmente menos associado à moda … seria este o ponto de partida da arquitetura superleve?” Apropriadamente, o mais novo empreendimento de Hu é chamado de One More Dimension, como ele disse à 1 Granary Magazine em uma entrevista: “Eu queria introduzir mais um ângulo ou dimensão no design.” Ele explicou: “Visualmente, isso aparece como uma terceira dimensão nas roupas”. As peças de Hu refletem essa diversidade de material, textura e densidade. Certos artigos são mais parecidos com vestidos tradicionais, exceto por uma ou duas esculturas de tecido saliente, enquanto outros usam a técnica 3D para criar grandes faixas de tecido em malha, simulando golas de capuz exageradas ou delicadas, máscaras faciais e véus de renda. Essas peças de tecido vermelho são um jogo delicado e deliberado, alternando entre semissólido e vazio, tecido e rede, ao mesmo tempo que confunde os limites entre a superfície, a frente e o verso.

STUDIO KIMCHI AND CHIPS

483 linhas
A obra de arte 483 linhas amplia esta imagem de vídeo analógico até que ela tenha 16 metros de largura e, em seguida, dobra essa imagem várias vezes para que ela se encaixe verticalmente no espaço da galeria, adicionando aí oscilações de profundidade na imagem que podem ser ativadas por ‘ajuste’ do vídeo projetado para corresponder a essas ondas. As linhas estritamente organizadas podem ser ilusórias, criando uma arquitetura confusa de horizontes, enquanto o vídeo reproduzido mostra um passado, presente e futuro paralelos.

Adriana Vignoli

Paisagem Feita com Grãos de Pedra
Adriana Vignoli cria objetos que transitam entre o desenho, a escultura e a instalação. A artista utiliza predominantemente materiais como o vidro, a terra, a pedra e o metal. Ela vem elaborando uma poética de coisas simples, “autônomas e utópicas”, que conectam o arcaico ao presente, ou mesmo, confabulam um futuro. Suas obras se envolvem por temáticas do tempo, da paisagem, da arquitetura e também do construtivismo. São influências advindas de Brasília, cidade em que nasceu e vive atualmente.