CHUNKY MOVE

Brilho
Glow é um ensaio coreográfico esclarecedor de 30 minutos do Diretor Artístico Gideon Obarzanek e do criador do software interativo Frieder Weiss. Sob o brilho de um sofisticado sistema de rastreamento de vídeo, um ser orgânico solitário sofre mutações dentro e fora da forma humana em estados de criatura desconhecidos, sensuais e grotescos. Utilizando as mais recentes tecnologias de vídeo interativo, uma paisagem digital é gerada em tempo real em resposta ao movimento do dançarino. Os gestos do corpo são estendidos e, por sua vez, manipulam o mundo do vídeo que o cerca, não tornando duas performances exatamente iguais.

Quasar

Violescence
“Los espectadores se sumergen en una galaxia gráfica llena de sonido y música, que controlan con gestos de su brazo y dirección de la mirada: un proceso continuo de creación, modificación y destrucción de una composición visual y sonora”

LILLA LOCURTO & BILL OUTCAULT

La marioneta voluntariosa
la marioneta voluntariosa (2014) fue creada por los artistas Lilla LoCurto y Bill Outcault durante una residencia en la Universidad de Carolina del Norte en Charlotte, trabajando con la Facultad de Computación e Informática y la Facultad de Arte y Arquitectura. La marioneta está impresa en 3D a partir de la imagen escaneada de una figura humana y responde de manera atractiva en tiempo real a los gestos humanos espontáneos al leer los movimientos y expresiones de un espectador. Sus cuerdas son manipuladas por motores y software y hay dos sensores de profundidad que leen y analizan los comportamientos y gestos de los participantes. Las acciones posteriores de la marioneta están diseñadas para provocar más respuestas, creando un intercambio que se centra en la fragilidad e inseguridades del participante humano y planteando cuestiones de relevancia contemporánea. La intención del proyecto no era crear tanto un robot que funcionara perfectamente, sino más bien imbuir una marioneta obviamente accionada mecánicamente con la capacidad de solicitar un diálogo físico y emocional con un espectador.

Luciano Berio

Visage
O trabalho eletrônico de Berio data, em grande parte, de sua passagem pelo Studio di Fonologia em Milão. Uma das obras mais influentes que produziu lá foi Thema (Omaggio a Joyce) (1958), baseada na leitura de Cathy berberiana do Ulisses de James Joyce, que pode ser considerada a primeira composição eletroacústica da história da música ocidental feita com voz e elaboração dele por meios tecnológicos. Um trabalho posterior, Visage (1961) vê Berio criando uma linguagem emocional sem palavras cortando e reorganizando uma gravação da voz de Cathy Berberian; portanto, a composição é baseada na carga simbólica e representativa de gestos e inflexões de voz, “de sons inarticulados a sílabas, de risos a lágrimas e canto, de afasia a padrões de inflexão de idiomas específicos: inglês e italiano, hebraico e dialeto napolitano ”

MARIANA MANHAES

Pisca-pisca
Meu trabalho consiste na invenção e construção de engenhocas que são comandadas por vídeos de objetos animados. Os objetos são pinçados do meu cotidiano visual: portas do meu ateliê, bules da cristaleira da sala, taças e jarros da coleção da minha mãe. Todos eles são filmados e seus movimentos enfatizados durante o processo de edição, de maneira a criar gestos caricatos semelhantes ao comportamento humano e animal. A manipulação do tempo do vídeo é determinante para a deformação das imagens, que não se resumem a meras representações do real