CHLOÉ MOGLIA

Perigos
Longe do espetáculo da disciplina, Chloé Moglia transformou o trapézio em uma experiência espacial de suspensão. Uma revolução que envolve a reinvenção perpétua dos aparelhos, mas não apaga a dificuldade técnica e física. Chloé Moglia parece ter uma relação ambígua com seu aparato original: o trapézio. Uma relação de amor e ódio transcendida pela questão da suspensão. Para Aléas, o aparelho tem a forma de uma longa corda de aço com trinta metros de comprimento. As três fases do Aleas foram criadas entre junho de 2013 e fevereiro de 2015: Aléa # 1 La Ligne com Chloé Moglia, Aléa # 2 Suspensives com cinco trapezistas e Aléa # 3 Tracé com Chloé Moglia novamente. Em jogo: a intensidade, a violência, a experiência física, os códigos e outros limites da arte da suspensão para um espectáculo tripartido que fala da nossa fragilidade, da nossa condição humana.

Davide Balula

Mimed Sculptures,(Henry Moore, Moon Head)

“Artistas vestidos com uniformes brancos e luvas de manuseio de arte rosa se movem em torno de pedestais de vários tamanhos. Eles gesticulam, imitando os contornos de esculturas – Le-nez de Giacometti (1947), Hang up de Eva Hesse (1966) e Paisagem inconsciente de Louise Bourgeois (1967 -8), entre outros.
Como se fosse um jogo de charadas da história da arte, você se pega adivinhando com o que eles estão manipulando, qual é a superfície e a textura dos objetos. Através dessa performance, a nova relação sensual com essas obras é formada. No entanto, você não pode deixar de fazer a conexão com o comentário sobre a arte de manipular em si – pode o mundo da manipulação de arte, instalação de exposições e, de fato, venda de obras de arte estar se tornando tanto uma arte quanto a própria obra de arte? ” Maisie Skidmore

the why factory

anarcity

AnarCity investiga e projeta a cidade anarquista. Uma cidade sem governança e coletividade. Uma cidade sem regras. Tem como objetivo simular a situação anarquista final e registrar o que, quando e onde isso deu errado. E onde leva a melhores desempenhos do que a cidade regulamentada. O projeto é baseado no uso de processos generativos interativos que são testados em um modelo abstrato de cidade ou em uma cidade real. Ele mapeia o crescimento da densidade no tempo para explorar a relação entre densidade e anarquia.

CHRISTOPH DE BOECK

Céu de aço
A topografia íntima do cérebro é disposta em uma grade de 80 placas de teto de aço. O visitante pode experimentar a dinâmica de seu eu cognitivo usando uma interface de EEG, que permite que ele caminhe sob a representação acústica de suas próprias ondas cerebrais. As ressonâncias acumuladas de chapas de aço geram tons penetrantes. A distribuição espacial do impacto e a sobreposição de reverberações criam um espaço sonoro físico para abrigar um fluxo intangível de consciência. ‘Staalhemel’ (‘céu de aço’, 2009) articula a relação contraditória que mantemos com nosso próprio sistema nervoso. O feedback neurológico faz com que o foco cognitivo seja repetidamente interrompido pela representação deste foco. O pensamento concentrado tenta se retratar em um espaço que é remodelado pensando-se quase a cada fração de segundo.

SACHIKO ABE

Сатико Абэ
阿部幸子
幸子安倍晋三
ساشيكو ابي

Há 15 anos, a artista japonesa Sachiko Abe descobriu os efeitos calmantes ao retalhar papel e agora explora essas propriedades meditativas em forma de arte. Recentemente, ela repetiu o feito durante da Bienal de Sidney, na Austrália. “O ato de cortar é um exercício constante através do qual eu organizo e estruturo meus pensamentos aleatórios”, diz ela, cercada por uma fortaleza de papel picado. “O ritmo da tesoura, a fineza e o comprimento da tira de papel correspondem ao processo do meu pensamento e seu efeito para o corpo. Embora essencialmente pessoal, cortar papel é uma prática necessária para formular minha relação com o mundo externo”, continua Abe, que garante recuperar relações significativas com outras pessoas a partir do limite estabelecido enquanto está picotando papel.

issey miyake

ايسي مياكي
איסי מיקים
イッセイミヤケ
이세이 미야케

Autodenominando-se designer de roupas, Issey Miyake tem explorado maneiras com as quais fazer peças que permitirão àquele que usa maior individualidade, conforto e liberdade. Ele ficou conhecido por trabalhar com uma técnica de plissado – criada pelo próprio – e por ser um mestre do mix and matching – combinação de listras, estampas e cores com perfeição. Movido por uma incansável curiosidade, Miyake tem continuamente procurado redefinir a relação entre a roupa e o corpo, fazendo criações com técnicas que incorporam a tradição bem como a tecnologia mais recente.

Rudolfo Quintas

SWAP
SWAP é uma performance audiovisual interativa para palco criada no cruzamento entre a dança e a visualização de movimento. A performance explora o conceito do corpo como sistema autopoiético intimamente ligado ao seu contexto, onde a mente, as emoções, o sistema nervoso e meio ambiente são um só – o corpo. Um organismo em permanente recursividade, regeneração e transformação, principio enunciado pelos biólogos Maturana e Varela. Em SWAP a visualização artística do movimento expõe os fluxos invisíveis que percorrem o interior e exterior do corpo, de acordo com a nossa percepção micro ou macro alteram a nossa leitura e compreensão da realidade. São geradas animações interactivas compostas por milhares de partículas em constante movimento que reflectem a relação entre o corpo do performer.

PETRA CORTRIGHT

Poor traits
Petra refere na sua maioria a natureza física da experiência de computação em relação com o ser humano, como por exemplo em “Webcam”, um dos seus primeiros projetos, a artista se filma a si mesma através da webcam refletindo a atividade de observação de vídeos online. Nele, Petra surge como uma personagem que questiona todo o processo físico de estar sentado em frente ao monitor, tornando-se num consumidor assíduo de YouTube.

Daniel Steegmann Mangrané

Mientras una Flor se Marchita
O trabalho que Steegmann Mangrané se compõe de sutis, poéticas e no entanto cruas experimentações que questionam a relação entre a linguagem e o mundo.Embora principalmente conceitual, suas instalações engajam com a imaginação do espectador e exibem uma forte preocupação com a existência e as características concretas das obras, ativando a linguagem abstrata como um princípio gerador de pensamento, articulador de um significado instável.

Yung Cheng Lin

Юнг Ченг Лин
يونغ تشنغ لين

Os experimentos fotográficos do artista Cheng Yung Lin, também conhecido como 3cm, mostram a anatomia humana de um outro ângulo, utilizando elementos como: linhas, plantas, doces, entre outros, imaginando composições surreais e geométricas. Algumas das fotografias conceituais são intensas e perturbadoras, e fazem com que questionemos a relação de nossos corpos com a matéria orgânica

ERNESTO KLAR

Эрнесто Клар
Luzes Relacionais
File Festival
“Luzes Relacionais” (Relational Lights) é uma instalação interativa audiovisual que explora a relação das pessoas com o caráter orgânico-expressivo do “espaço”. A instalação usa luz, som, neblina e um sistema de software customizado para criar um espaço-luz tridimensional de morphing (metamorfose), em que os espectadores participam ativamente, manipulando-o com sua presença e seus movimentos[…] A obra funciona como um organismo vivo, com ou sem a presença e a interação dos espectadores. Quando os espectadores saem da área de rastreamento ativo, o sistema começa seu próprio diálogo com o espaço através de extrusão e transformação de sequências de formas geométricas luminosas. Quando os espectadores penetram e interagem com o espaço-luz projetado, uma expressão coletiva e participativa do espaço se desdobra. “Luzes Relacionais” amplia o tecido tridimensional do espaço, tornando-o visível, audível e tangível aos participantes.

ron gilad

رون جلعاد
罗恩·吉拉德
רון גלעד
ロン·ギラッド
РОН ГИЛАД
Ron Gilad mora e trabalha na cidade de Nova York. Os objetos híbridos de Ron Gilad combinam inteligência material com jogo estético. Eles ficam na linha gorda e deliciosa entre o abstrato e o funcional. Seus trabalhos tratam da relação entre o objeto e sua função, questionando nossas percepções. Variando de edições únicas a limitadas e peças de produção, as obras não têm “data de validade” e residem em coleções públicas e privadas em todo o mundo. Gilad faz perguntas incessantes na forma 3D e fabrica respostas que criam uma arena para dúvidas férteis. Metaforicamente, Gilad é um linguista, criando sua própria linguagem. Ele aprende a origem das “palavras” e desenvolve novos “sinônimos”.

CLAIRE MORGAN

Клер Морган
كلير مورجان
克莱尔·摩根
クレア·モーガン
클레어 모건
Human Nature
Meu trabalho é sobre nosso relacionamento com o resto da natureza, explorado por meio de noções de mudança, a passagem do tempo e a transitoriedade de tudo ao nosso redor. Para mim, criar estruturas ou formas aparentemente sólidas a partir de milhares de elementos suspensos individualmente tem uma relação direta com a minha experiência dessas forças. Há uma sensação de fragilidade e falta de solidez que permeia todas as esculturas.

NINO CAIS

maiastra
O trabalho de Nino tem uma intensa relação com objetos cotidianos. Para o artista, os objetos de uso doméstico referem-se ao desejo de apropriar-se da memória do objeto, a fim de ganhar as experiências do tempo. Equilíbrio e delicadeza são duas características que podem ser atribuídas aos arranjos entre o corpo de Nino e os objetos. Neles, seu corpo se integra aos objetos, muitas vezes amparando-os, em outras sendo amparado por eles.