MVRDV

gwanggyo power centre

o projeto de conceito consiste em uma série de edifícios em forma de colina cobertos de mato com grande diversidade programática, visando alta densidade urbana e incentivo a novos desenvolvimentos em torno do ‘centro de energia’, um dos dois centros previstos da futura nova cidade. o centro de energia de gwanggyo consistirá em moradias, escritórios, uma mistura de instalações culturais, de lazer e educacionais, bem como estacionamento. a estrutura em forma de colina é construída com uma série de anéis que facilitam a vida ao ar livre. cada piso será constituído por terraços com sistema de circulação piso a piso, onde a água será armazenada e utilizada para irrigar as plantas. os telhados dessas colinas e os terraços são plantados com sebes de buxo, criando um parque forte, reconhecível e coeso.

Unlimited Corridor

Keigo Matsumoto, Yohei Yanase, Takuji Narumi & Yuki Ban
FILE FESTIVAL 2018
“Unlimited Corridor ” é um sistema de VR que permite a experiência de percorrer um vasto mundo virtual num espaço físico estreito, manipulando a percepção espacial. Esta obra utiliza uma técnica chamada andar visual-háptico redirecionado que utiliza a incerteza da percepção espacial humana e a interação entre visão e senso háptico.

Marshmallow Laser Feast

Laser Forest
O público pode explorar livremente o espaço, batendo fisicamente, agitando, arrancando e vibrando as árvores para acionar sons e lasers, provocando uma experiência coletiva bem interativa. Devido à elasticidade natural do material, a interação com as árvores fazia com que elas oscilassem, criando padrões de vibração de luz e som. Cada árvore estava sintonizada com um tom específico, criando sons harmoniosos espacializados e jogados através de um sistema de som surround poderoso, e quanto mais gente, mais legal ficava o experimento. A instalação foi projetada para trazer para fora em adultos os sentimentos de curiosidade e admiração, que são tão viva e evidentes nas crianças.

FRANÇOIS MORELLET

No End Neon
Os trabalhos de François Morellet são executados segundo um sistema: cada escolha é definida por um princípio previamente estabelecido. Com isso, ele quer dar a impressão de controlar a criação artística, deixando um elemento do acaso, que dá uma imagem imprevisível. Ele usa formas simples, um pequeno número de cores sólidas e composições elementares (justaposição, superposição, acaso, interferência, fragmentação). Assim, ele cria suas primeiras “molduras”, redes de linhas pretas paralelas sobrepostas em uma ordem determinada que cobrem toda a superfície das pinturas.
Esses sistemas são uma reminiscência das estruturas propostas por Oulipo (Ouvroir de Littérature Potentielle) e descritas por Raymond Queneau: “Qual é o propósito do nosso trabalho? Oferecer aos escritores novas “estruturas” de cunho matemático, ou ainda inventar novos processos artificiais ou mecânicos, contribuindo para a atividade literária “.
Posteriormente, François Morellet continuará a usar sistemas baseados em um universo matemático.