ying gao

Possible Tomorrows
Gli abiti di “Possible Tomorrows” sono costituiti da nylon, PVDF, dispositivi elettronici e termoplastici: materiali tecnologici con i quali Ying Gao indaga l’aspetto sociale dell’abito, visto come una barriera protettiva.

HELEN SOBIRALSKI

Хелен Собиральски
Cockaignesque

A encenação de motivos históricos tem um encanto especial na fotografia, pois as épocas podem ser visualmente ligadas entre si dessa maneira. Helen Sobiralski conta histórias de uma terra de leite e mel em “Cockaignesque”; O título refere-se ao termo em inglês e francês de Cockaigne, Cockaigne ou Cacogne. Sua terra de leite e mel teve origem no estúdio de FH Dortmund. Com imensos trabalhos detalhados, um cenário de palco foi construído e pintado, adereços e roupas adquiridos, modelos adequados procurados. Ela não estava preocupada com a cópia de pinturas históricas, mas com a captação de motivos e símbolos individuais, que frequentemente recebem uma nova acentuação nas fotografias.

Alicja Kwade

Die Gesamtheit aller Orte

“It’s easy to trace the curves in Kwade’s perfectly placed bent tubing and piping, but it takes a second to realize that even the installation’s larger, solid objects—a door, a window, mirrors, iron gates, sheets of metal, and even a bicycle—not only travel on her orbits’ paths, but have also been altered (in some cases just barely) to conform to them. The white door’s slight curvature is hardly noticeable until you’re at close range. The imposing rusty gates are generously rounded. There’s an almost imperceptible bend to a door with an oval mirror. A few copper pipes in the outermost rings disappear into the gallery wall; in the very center of the installation, a two-euro coin, propped up on its rim, and a sharply curved sheet of metal face each other, mysteriously.”Kimberly Bradley

CÉCILE B. EVANS

lower pop installation

A prática de Cécile B Evans examina a maneira como a sociedade contemporânea valoriza as emoções. Muitas vezes desafia os valores sociais “objetivos”, regidos por padrões comumente reconhecidos e expressos em formas mutuamente acordadas, favorecendo a experiência pessoal e o subjetivo. Ela está interessada na tensão entre “o que se passa na sua cabeça, realmente, e no seu coração, realmente” (Robert Brenton e David Newman, ‘o novo Sentimentalismo’, 1964) e uma sociedade moderna que tem consistentemente tentado definir o eu -expressão em termos hierárquicos, ainda apoiada pelos efeitos democratizantes da tecnologia digital.