YANG MINHA

Meditação
FILE FESTIVAL
Se não temos o poder para reformar nosso ambiente, precisamos encontrar possibilidades de meditação usando os significantes que preenchem as cidades. “Meditação” é uma meditação prática e alternativa que só funciona quando você se deixa perder. Inúmeros símbolos estão comprimidos dentro da obra, expressos em padrões irregulares de som através das três instalações audiovisuais, e o som se transforma, formando imagens de ondas. A mídia reproduzida, ao ser comprimida e suprimida, traz mais possibilidades de pensamento e escolha do que os valores contidos em sua própria forma. Através desses processos, “Meditation” pode ser a ferramenta certa para a meditação.

ALEXANDER EKMAN

Jogo
Convidado pela primeira vez ao Palais Garnier, o coreógrafo Alexander Ekman viveu um sonho: trabalhar com os bailarinos do Ballet da Ópera de Paris! Para mergulhá-los no universo de sua peça, ele os convidou a tocar. Afinal, a dança não é também entretenimento, diversão, prática, exercício e manipulação? Aqui, o jogo é tudo e em todos os lugares. Dos adereços aos sets. Pois, como repete o coreógrafo, brincar nos deixa felizes; nunca se deve deixar de ser criança. Nos estúdios Massenet e Blanchine, a fotógrafa Anne Deniau se concentra em alguns adereços emblemáticos dessa produção, enquanto o dramaturgo Nicolas Doutey reflete sobre essas novas composições visuais.

The Constitute: Sebastian Piatza & Christian Zoellner

Eyesect
file festival
”Eyesect” é uma constelação interativa vestível que reflete um experimento extracorpóreo de maneiras imersivas. O trabalho permite que os usuários vicenciem seu ambiente sob novos pontos de vista. O mundo, conforme o percebemos na realidade e por meio da mídia, é alinhado com a visão dos seres humanos através de binóculos e estereoscópio. Essa perspectiva onipresente centrada no humano e o debate crítico sobre a tecnologia 3D que só estimula o espaço real e não simula a ânsia por novas propostas visuais foram o ponto de partida para o trabalho em ”Eyesect”

Oliveira & Mateus Knelsen

Monomito
FILE LED SHOW
FILE FESTIVAL
Inspirado no “Herói de mil faces”, de Joseph Campbell, “Monomito” é uma performance multimídia em que um performer cruza o espaço público vestindo um aparato que reconhece padrões visuais de rostos humanos, “sequestrando-os” e projetando-os na máscara do performer, assim como em outros lugares do espaço por onde cruza.

elevenplay + rhizomatiks research

fly
Aqui, os drones são usados ​​de forma mais cuidadosa: eles são holofotes robóticos. Reconfigurando continuamente sua posição em torno de um único dançarino humano, o conjunto produz um jogo hipnotizante de sombra e luz.É mais do que um truque legal. Em vez de ter drones no palco apenas por tê-los, o clipe mostra como as máquinas podem ser usadas de maneiras mais sutis e expressivas. Ser capaz de coreografar as três fontes de luz que se movem independentemente em torno de um artista, presumivelmente, permite que você crie todos os tipos de efeitos visuais que você simplesmente não conseguiria de outra forma. No início, os drones piscam suas luzes em sequência, projetando um filme de stop motion nas sombras na parede atrás. Depois disso, eles exploram outras configurações ao redor da dançarina: iluminando-a, escondendo-a e revelando-a novamente em silhueta.

philippe genty

Ne m’oublie pas / Forget me not
“Forget Me Not” certamente parece que demorou séculos para ser perfeito. Ele abre em um palco totalmente branco com cenários simples projetados para se assemelhar a uma paisagem coberta de neve. Quando os dançarinos aparecem, eles rastejam pelo palco como vermes. Alguns deles parecem objetos inanimados sendo arrastados, mas o palco não está se movendo e ninguém os está arrastando. O efeito é desconfortável – uma massa se contorcendo de carne humana que parece confundir a linha entre a boneca e o humano, agravado pelo fato de que vários dos dançarinos estão usando máscaras naturais (mas sem vida) cobrindo seus rostos inteiros. O dispositivo que se mexem como bonecos ficaria velho, mas “Forget Me Not” é infinitamente inventivo. Todas as histórias baseadas em movimento e quadros visuais são executados com um espírito lúdico que ocasionalmente se torna melancólico ou levemente sexual. Os dançarinos pulam dentro de bolas fofas semelhantes a marshmallow, giram no meio de rolos gigantes de seda e constantemente se levantam e se arremessam com tanta facilidade que devem estar em uma forma física inimaginavelmente boa.Pensando na performance, ainda estou incerto sobre quantos fantoches estavam no palco e quantos humanos. Às vezes, os corpos pareciam tão leves quando eram jogados (e depois caíam com tanta força no chão, às vezes na cabeça) que eu tinha certeza de que eram bonecos. Mas então eles se levantaram e continuaram dançando. Estava acontecendo algum truque de prestidigitação? Tenho certeza de que é exatamente isso que os criadores querem que eu pense.

ROBERTO PUGLIESE

Roberto Pugliese Roberto Pugliese é um artista de origem napolitana cuja obra surge da contaminação da música com a arte visual. A rejeição de uma visão única o levou a desenvolver uma poética individual em que o som, protagonista indiscutível, cria um mundo de ambientes visuais.