Liz Deschenes

Galeria 7
Desde o início da década de 1990, Liz Deschenes produziu um corpo singular de trabalho que avançou o potencial material e o escopo crítico da fotografia. Fazendo uso dos aspectos mais elementares do meio, ela recentemente trabalhou sem uma câmera para produzir fotogramas espelhados que refletem nossos movimentos no tempo e no espaço. Sua nova instalação investiga histórias díspares de produção, abstração e exibição de imagens, ao mesmo tempo que responde aos recursos exclusivos do site.

MARIANNE FAITHFULL

THERE IS A GHOST
BOB WILSON

Os retratos em vídeo tomaram forma em 2007, após mais de dois anos de trabalho de Wilson com a VOOM HD Networks […] Eles são repetidos em rotação contínua para não ter um começo e um fim, criando uma obra de arte em quadros. O resultado final no monitor é semelhante ao de uma fotografia. Os “retratos”, que duram de 30 segundos a 20 minutos, parecem imóveis, mas os personagens realmente realizam pequenas ações – um movimento simples, um piscar de olhos, um toque no pé – que ampliam o potencial narrativo do retrato tradicional, aproximando-o da história cinematográfica, sem perder a aura de fixidez icônica que caracteriza o retrato pictórico de todos os tempos.

PABLO REINOSO

بابلو رينوسو
巴勃罗·雷诺索
파블로 레노소
Пабло Рейносо
two for tango
Originalmente escultor mas essencialmente um artista, Pablo Reinoso tem exercitado a arte de diferentes maneiras desde muito cedo. O artista trabalha em séries em que ele atravessa, tritura e vasculha em busca de explorar diferentes materiais. Como poderia potencialmente acontecer com qualquer série, sua mente está sempre aberta, transmitindo um permanente work in progress que constitui a maneira de pensar de seu autor.

Yunchul Kim

Effulge
La obra del compositor y artista coreano, Yunchul Kim, que actualmente reside en Berlín, gira en torno al potencial artístico de la dinámica de fluidos. Utilizando ferrofluidos, crea instalaciones que exploran las propiedades de la materia y evocan procesos naturales a nivel cósmico o en el interior de un organismo imaginario.

RAYMOND QUENEAU

雷蒙格诺
レイモン·クノー
רמונד קנה
Раймонд Кено
OULIPO
Cent mille Milliards de poèmes
Since its arrival (the Oulipo), the rules of the group were set out as follows: “We define potential literature as the search for new forms and structures that can be used by writers in the way they will most like.” “Potential” refers to something that exists in power in literature, that is, that is found within language and that has not necessarily been explored. The favorite tool for study and production is the contrainte, an arbitrary formal restriction that can create new procedures, new forms and literary structures that can generate poems, novels, texts. Over the years, dozens of different contraintes have been explored, from those somehow related to the riddle, such as the palindrome, the acrostic, the lipogram, of which the playful aspect has certainly not been underestimated, with forms more directly related to the codes of exact sciences, such as combinatorial calculus, set theory or graph theory. Among the numerous definitions of the Oulipo provided by the members themselves, one is very elegant and significant: “An Oulipiano is a mouse that builds the labyrinth from which it is proposed to come out later”. Queneau often explained that some of his works might seem simple pastimes, simple jeux d’esprit (mind games), but he remembered that topology or number theory also arose, at least in part, from what was once called “funny mathematics“.

Winy Maas and Rob Nijsse

The Pixel Power

A investigação, cujos resultados foram apresentados nesta exposição, centrou-se na procura de novos princípios de organização de grandes estruturas, exemplificada com um edifício alto. Foi realizado por manipulações sistemáticas das correlações entre as esferas pública e privada, respectivamente representadas de forma abstrata pelo pixel fechado e ‘o pixel aberto’. Essas transformações exploraram diferentes hierarquias possíveis, entre os pixels abertos e fechados, bem como as partes e o todo, questionando aspectos como a redução dos espaços públicos ao átrio do céu e ao pedestal, o domínio do núcleo ou a repetição dos pisos . Todos os experimentos foram conduzidos com a premissa de que seus resultados devem permanecer abstratos, binários e mensuráveis. Eles trataram apenas das inter-relações entre aberto, fechado, vazio e cheio. A tarefa não definiu nenhum programa específico, nem objetivou a realização de um projeto elaborado. Os resultados podem ser entendidos como um conjunto de Nolli Maps tridimensionais de cidades inexistentes, representações de realidades urbanas complexas, que articulam relações entre espaços cheios e vazios – neste caso volumes. O uso do tijolo LEGO como ferramenta de modelagem permitiu medir os volumes e estimar sua capacidade de facilitar um projeto arquitetônico potencial. Fornecendo um esboço válido para uma elaboração posterior das relações exploradas em uma proposta de design.