Zaha Hadid

Opus Dubai Hotel
“O Opus segue à risca a principal missão da Omniyat, de tratar cada projeto como se fosse uma obra de arte única e exclusiva,” disse Mahdi Amjad, presidente executivo e CEO da Omniyat. “O projeto de arquitetura transparece a complexidade e criatividade do trabalho da ZHA; expressando uma sensibilidade espacial única, que transcende os limites entre o espaço interior e exterior, entre o cheio e o vazio e o que é opaco e transparente.”

EVE BAILEY

Consciência crescente
“Usando um vestido de coquetel, montei uma grande estrutura cinética feita de vigas de madeira e escadas na frente do público. Em seguida, caminhei e me equilibrei na estrutura de seis metros de largura, a 2,5 metros do chão. “Consciência crescente” aborda minhas preocupações contínuas sobre a fisicalidade da experiência, habitando o corpo, a propriocepção como o possível sentido mais forte do eu, como a consciência espacial se correlaciona com a consciência geral e a autoconsciência, como a fisicalidade aumenta a criatividade, encontrando o equilíbrio entre a gravidade e a ausência de fundamento, um conceito de felicidade como a expressão mais plena do potencial cognitivo particular de alguém, ultrapassando limites e a atual política irreverente de responsabilidade.” Eve Bailey

CHLOÉ MOGLIA

Perigos
Longe do espetáculo da disciplina, Chloé Moglia transformou o trapézio em uma experiência espacial de suspensão. Uma revolução que envolve a reinvenção perpétua dos aparelhos, mas não apaga a dificuldade técnica e física. Chloé Moglia parece ter uma relação ambígua com seu aparato original: o trapézio. Uma relação de amor e ódio transcendida pela questão da suspensão. Para Aléas, o aparelho tem a forma de uma longa corda de aço com trinta metros de comprimento. As três fases do Aleas foram criadas entre junho de 2013 e fevereiro de 2015: Aléa # 1 La Ligne com Chloé Moglia, Aléa # 2 Suspensives com cinco trapezistas e Aléa # 3 Tracé com Chloé Moglia novamente. Em jogo: a intensidade, a violência, a experiência física, os códigos e outros limites da arte da suspensão para um espectáculo tripartido que fala da nossa fragilidade, da nossa condição humana.

panGenerator

Dodecaudion
Dodecaudion é um controlador audiovisual espacial baseado em tecnologias como sensores infravermelhos de distância, arduino, bluetooth, processamento e osc. A maior parte do som neste vídeo foi gravada ao vivo e editada / pós-produzida posteriormente.

CHRISTOPH DE BOECK

Céu de aço
A topografia íntima do cérebro é disposta em uma grade de 80 placas de teto de aço. O visitante pode experimentar a dinâmica de seu eu cognitivo usando uma interface de EEG, que permite que ele caminhe sob a representação acústica de suas próprias ondas cerebrais. As ressonâncias acumuladas de chapas de aço geram tons penetrantes. A distribuição espacial do impacto e a sobreposição de reverberações criam um espaço sonoro físico para abrigar um fluxo intangível de consciência. ‘Staalhemel’ (‘céu de aço’, 2009) articula a relação contraditória que mantemos com nosso próprio sistema nervoso. O feedback neurológico faz com que o foco cognitivo seja repetidamente interrompido pela representação deste foco. O pensamento concentrado tenta se retratar em um espaço que é remodelado pensando-se quase a cada fração de segundo.

Unlimited Corridor

Keigo Matsumoto, Yohei Yanase, Takuji Narumi & Yuki Ban
FILE FESTIVAL 2018
“Unlimited Corridor ” é um sistema de VR que permite a experiência de percorrer um vasto mundo virtual num espaço físico estreito, manipulando a percepção espacial. Esta obra utiliza uma técnica chamada andar visual-háptico redirecionado que utiliza a incerteza da percepção espacial humana e a interação entre visão e senso háptico.

pedro veneroso

GOGOAME
Gogoame é um experimento de net art que dá continuidade à tradição de experimentação literária das poesias concreta e visual, transpondo o texto verbal para um universo virtual simulado em que a espacialização do texto contraria a linearidade. Letras chovem e, em meio à chuva, são formadas palavras e frases. Ao contemplar a chuva de texto, o visitante do site se depara, frequentemente, com palavras que se formam brevemente durante a queda das letras;more

Marshmallow Laser Feast

Laser Forest
O público pode explorar livremente o espaço, batendo fisicamente, agitando, arrancando e vibrando as árvores para acionar sons e lasers, provocando uma experiência coletiva bem interativa. Devido à elasticidade natural do material, a interação com as árvores fazia com que elas oscilassem, criando padrões de vibração de luz e som. Cada árvore estava sintonizada com um tom específico, criando sons harmoniosos espacializados e jogados através de um sistema de som surround poderoso, e quanto mais gente, mais legal ficava o experimento. A instalação foi projetada para trazer para fora em adultos os sentimentos de curiosidade e admiração, que são tão viva e evidentes nas crianças.

RAFAEL LOZANO-HEMMER

Рафаэль Лозано-Хеммер
拉斐尔·洛萨诺 – 亨默
ラファエル·ロサノ=ヘメル
라파엘 로자노
רפאל לוזאנו, המר
Pulse Spiral
“Pulse Spiral” é um parabolóide espiral tridimensional composto de 400 lâmpadas dispostas de acordo com as equações de Fermat, – uma distribuição espacial eficiente ao longo de uma superfície que é encontrada na filotaxia da planta (arranjo de folhas e células nas raízes, por exemplo). A peça registra e responde à frequência cardíaca dos participantes que seguram um sensor por baixo. Encomendada para a inauguração do Centro de Cultura Contemporânea de Moscou na construtivista Bakhmetevsky Bus Garage, a peça é inspirada no engenheiro Vladimir Shukov que trabalhou com Melnikov neste edifício emblemático de 1926-28.

TOYO ITO

تويو ايتو
伊东丰雄
טויו איטו
伊東豊雄
도요 이토
Serpentine Pavilion

“Otro ejemplo de esta evolución estructural es el pabellón que proyecté en el verano de 2002 para la Serpentine Gallery de Londres, una follie que duraba sólo tres meses y que hice en colaboración con el ingeniero Cecil Balmond. Balmond llama “estructura no lineal” a sus ideas. La forma usual de analizar estructuralmente un cubo de 18 metros de lado es primeramente dividir en cuartos cada cara y después subdividir cada cuarto en cuartos. En lugar de ello, el método de análisis de Balmond implicaba inscribir cuadrados telescópicos, uno dentro del siguiente, manteniendo las líneas continuas de fuerza que pueden extenderse sobre las caras verticales del cubo en una proliferación de líneas “al azar”. Se elimina así la necesidad de cualquier estructura inicial de pilares y vigas, pues en esta estructura no hay distinción alguna entre pilar, viga o arriostramiento. Siguiendo esta vía, este esquema promete suprimir las jerarquías espaciales existentes liberando a la arquitectura de su larga y pesada historia para ofrecernos una apertura cada vez mayor. Del mismo modo, el hecho que fuese una estructura temporal, que existió sólo durante tres meses, significaba que no se necesitaba puerta alguna y tan sólo algunos de los huecos debían acristalarse de un modo muy sutil. Esto también permitió que los visitantes disfrutaran del espacio relajadamente intentamos construir con cierta libertad. El pabellón de la Serpentine Gallery, el pabellón de Brujas y el edificio TOD de Aoyama son todos intencionalmente abiertos. Cecil Balmond es un genio de la geometría que tiene su propia y excepcional lógica. Justo hace poco tuve una larga conversación telefónica con él sobre un proyecto que estamos haciendo en Inglaterra y le pregunté:”¿no podríamos simplemente dibujar líneas al azar sin girar el cuadrado como hicimos en la Serpentine Gallery?”. Pero él insistía: “No, necesitas un algoritmo. Tienes que girar el cuadrado de acuerdo con alguna regla”. Es extraño, incluso las líneas dibujadas al azar recurren a las costumbres. Las reglas hacen algoritmos. Al manipular las reglas obtienes cosas que nunca hubieras pensado”.