Chloé Moglia

Horizon
O limbo está no centro da arte de Chloé Moglia. Seja como integrante da Compagnie Rhizome, solo ou em produções conjuntas, a artista está sempre preocupada com a leveza. Em suas performances, que combinam força física e poesia, ela derrota as leis da gravidade e o medo das alturas. Além disso, ocorrem reflexões sobre o tempo, principalmente pela lentidão de seus movimentos. Chloé Moglia transita entre a disposição de arriscar e a busca de sentido e empolga o público ao brincar com o medo da queda. A performance de Chloé Moglia aqui apresentada intitula-se Horizon. O nome desta obra-prima física, criada em 2013 por encomenda do Festival Paris Quartier d’Été, foi escolhido de forma excelente. Horizon é um jogo entre o trapézio e uma estrutura esguia que serve tanto como elemento escultural quanto como elemento de sustentação. Nesta constelação, Moglia cria um espetáculo leve que se encaixa perfeitamente em seu entorno.

OLAFUR ELIASSON

Algenfenster
Algenfenster ist eine Anordnung von Glaskugeln, die in einer Wand montiert sind. Direkt hinter der Wand und den Kugeln befindet sich ein Fenster; So erscheinen in jeder Sphäre lebendige, invertierte Miniaturansichten der Szene außerhalb der Galerie und bewohnen sie. Die Zusammensetzung der Arbeit ähnelt stark der Struktur eines Typs einzelliger Algen, die als Kieselalgen bekannt sind und große Mengen Kohlenstoff aus der Atmosphäre entfernen.

.

Janela de algas
A janela de algas é um arranjo de esferas de vidro que são montadas em uma parede. Há uma janela logo atrás da parede e das bolas; Assim, em cada esfera, miniaturas vivas e invertidas da cena aparecem fora da galeria e a habitam. A composição da obra se assemelha muito à estrutura de um tipo de alga unicelular conhecida como diatomácea, que remove grandes quantidades de carbono da atmosfera.

 

NXI GESTATIO: NICOLAS REEVES, DAVID ST-ONGE & GHISLAINE DOTÉ

Paradoxal Sleep
File Festival
O projeto “Paradoxal Sleep” integra uma série de obras na qual grandes cubos robotizados, medindo 2,25 m3, funcionam como estruturas flutuantes usadas como plataformas para vários projetos multimídia e performances. No FILE 2012, a equipe da NXI GESTATIO apresentará um único cubo que irá se mover nos espaços expositivos. O cubo reajustará constantemente sua posição medindo a distância entre as paredes ao redor.

.

The “Paradoxal Sleep” project integrates a series of works in which large robotic cubes, measuring 2.25 m3, function as floating structures used as platforms for various multimedia projects and performances. At FILE 2012, the NXI GESTATIO team will present a single cube that will move in the exhibition spaces. The cube will constantly readjust its position by measuring the distance between the surrounding walls.

JEPPE HEIN

Gaiola e espelho
Uma enorme gaiola define o espaço da galeria e, embora seja feita de barras de ferro bruto, sua estrutura parece leve e aberta. As barras curvas delgadas oferecem vistas de dentro e de fora. As pessoas podem entrar na gaiola e contornar o enorme espelho pendurado no meio. Olhando para o espelho conforme ele gira quase imperceptivelmente, os espectadores são confrontados com uma perspectiva incomum ao seu redor que resulta do movimento da imagem no espelho.

RAY KING

Solar sônico
“Solar sônico” é composto por 14 lentes que ficam suspensas na estrutura externa da cobertura de vidro do terminal. As lentes – uma estrutura de anel de puxar envolta em um lado com vidro defletor de luz holográfico – é graduada e conectada por 20 cabos horizontais tecidos em um padrão toroidal, tensionados e presos a âncoras em ambas as extremidades. Solar sônico é uma de uma série de esculturas cromáticas de King projetadas para interagir com o sol. As lentes holográficas côncavas da escultura são posicionadas de frente para o meridiano sul do sol e são iluminadas à noite. Ray King é um artista que usa os fenômenos naturais da luz e da ótica como meio de arte. Desde 1976 expõe internacionalmente o seu trabalho. Grandes instalações foram comissionadas nos EUA, Europa e Ásia – todas são específicas do local e inspiradas no espaço e na paisagem ao redor.

EVE BAILEY

Consciência crescente
“Usando um vestido de coquetel, montei uma grande estrutura cinética feita de vigas de madeira e escadas na frente do público. Em seguida, caminhei e me equilibrei na estrutura de seis metros de largura, a 2,5 metros do chão. “Consciência crescente” aborda minhas preocupações contínuas sobre a fisicalidade da experiência, habitando o corpo, a propriocepção como o possível sentido mais forte do eu, como a consciência espacial se correlaciona com a consciência geral e a autoconsciência, como a fisicalidade aumenta a criatividade, encontrando o equilíbrio entre a gravidade e a ausência de fundamento, um conceito de felicidade como a expressão mais plena do potencial cognitivo particular de alguém, ultrapassando limites e a atual política irreverente de responsabilidade.” Eve Bailey

ICD AND ITKE RESEARCH PAVILION

Pavilhão de pesquisa biônica
O Instituto de Design Computacional (ICD) e o Instituto de Estruturas de Edifícios e Design Estrutural (ITKE) da Universidade de Stuttgart construíram outro pavilhão de pesquisa biônica. O projeto faz parte de uma série bem-sucedida de pavilhões de pesquisa que mostram o potencial de novos processos de design, simulação e fabricação em arquitetura. O projeto foi planejado e construído em um ano e meio por alunos e pesquisadores de uma equipe multidisciplinar de arquitetos, engenheiros e biólogos. O foco do projeto é uma estratégia de design de baixo para cima  paralela para a investigação biomimética de cascas de compósitos de fibra natural e o desenvolvimento de novos métodos de fabricação robótica para estruturas de polímero reforçadas com fibra.

WILLEM VAN WEEGHEL

Estrutura Dinâmica 101110
Objeto cinético com 32 elementos móveis independentes, controlado por um sistema de computadores integrado. O vídeo mostra algumas das estruturas ordenadas e aleatórias em constante mudança que aparecem e desaparecem.

YING GAO

Cápsula viva
FILE FESTIVAL
Luz, variações de forma e mimetismo se encontram em Living Pod. Na frente das peças gêmeas falsas, o usuário pode lentamente colocar a vestimenta A em movimento usando uma fonte de luz. A vestimenta B então imita a peça A de forma exagerada e desequilibrada, mudando a estrutura por meio de motores elétricos em miniatura acionados por sensores de luz que são semeados na vestimenta. Usando técnicas de corte de padrão plano, Ying Gao foi capaz de dar fluidez e flexibilidade ao processo. Além dos movimentos mecânicos das roupas, Living Pods destaca dois aspectos fundamentais do sistema de moda de hoje: confronto e imitação. A vestimenta desempenha um papel mediador entre o homem e seu ambiente. Ao usar a luz, o Cápsula viva é semelhante ao projeto Walking City, que usa o ar para fazer com que as peças pareçam estar respirando.

YING YU

Morfologias do Ar
Os humanos, como seres sociais, usam a linguagem para se comunicar. A voz humana, como um mecanismo de autenticação biométrica, é constantemente usada em aplicações da vida diária, como reconhecimento de voz, verificação de alto-falante e assim por diante. Atualmente, as comunicações baseadas em idioma se enquadram principalmente em duas categorias: voz sobre o ar e voz sobre o protocolo da Internet. Podemos adicionar uma nova dimensão para a comunicação de voz, como um material vestível? Se sim, como poderíamos moldar a matéria a fim de fisicalizar as informações vocais? Morfologias do Ar é uma instalação interativa que usa materiais suaves, como silício, tecido e ar, para realizar essas fisicalizações. A voz humana controla a atuação de uma estrutura macia vestível, mudando a aparência do corpo humano.

SIDI LARBI CHERKAOUI

Noético
Noético é o princípio que conecta um cósmico com cada consciência individual. A beleza desse conceito de ordem se reflete nos movimentos de dança expressivos de Cherkaoui, bem como nas estruturas geométricas de aço do artista visual Antony Gormley. A densidade atmosférica é intensificada por um percussionista e vocais japoneses tradicionais ao vivo. Espaço, ordem e espírito não são mostrados aqui como estruturas rígidas, mas como correntes poéticas fluindo.

olafur eliasson

オラファー·エリアソン
اولافور الياسون
奥拉维尔·埃利亚松
אולאפור אליאסון
ОЛАФУР ЭЛИАССОН
water fall versailles
Palácio de Versalhes recebe exposição de artista islandês que conta com uma queda d’água que parece surgir do meio do nada. Componente de uma exposição que propõe alterar as silhuetas do Palácio de Versalhes, a queda d’água do Grand Canal é com certeza a mais impactante. A estrutura amarela é escondida pela corrente de água e as nuvens adjacentes, fazendo com que a queda tenha sua origem incerta, parecendo ter aparecido do nada. O artista islandês Olafur Eliasson é conhecido por seus trabalhos grandiosos que conseguem alterar toda atmosfera explorando a luz, profundidade e sensações.

Amy Brener

艾米布雷纳
Эми Бренер
Sickle

A artista Amy Brener desenvolveu um método de camadas de resina para criar esculturas sensíveis à luz. A produção dessas obras envolve uma técnica de mistura intensa de resina pigmentada despejada em estruturas de madeira. Brener experencia dentro deste processo fluido de camadas e incorporação, todas as surpresas que ocorrem. O resultado final é um objeto que se revela continuamente para o telespectador. As esculturas de Brener ganham vida enquanto você se move em torno delas, mudando a cada alteração de luz. Suas formas são em escala humana. As suas superfícies são crostas complexas que parecem ter rachado, cristalizado e resistido com o tempo.

JUNYA ISHIGAMI

준야 이시가미
Cuboid Balloon

Quando olhamos para a obra Cuboid Balloon, do artista Junya Ishigami, a primeira coisa que passa pela cabeça é imaginar como uma estrutura pode parecer tão imensamente pesada e, ao mesmo tempo, parecer flutuar? Trata-se de um pensamento absurdo, mas é impossível não refletir sobre esta dualidade. O cubo gigantesco de fato está lá, flutuando, no átrio do Museu de Arte Contemporânea de Tóquio. E o mais incrível é que o balão de alumínio, que pesa uma tonelada, é capaz de pairar no ar por causa de 1.000 m³ de um outro elemento muito simples, o gás hélio.

Winy Maas and Rob Nijsse

The Pixel Power

A investigação, cujos resultados foram apresentados nesta exposição, centrou-se na procura de novos princípios de organização de grandes estruturas, exemplificada com um edifício alto. Foi realizado por manipulações sistemáticas das correlações entre as esferas pública e privada, respectivamente representadas de forma abstrata pelo pixel fechado e ‘o pixel aberto’. Essas transformações exploraram diferentes hierarquias possíveis, entre os pixels abertos e fechados, bem como as partes e o todo, questionando aspectos como a redução dos espaços públicos ao átrio do céu e ao pedestal, o domínio do núcleo ou a repetição dos pisos . Todos os experimentos foram conduzidos com a premissa de que seus resultados devem permanecer abstratos, binários e mensuráveis. Eles trataram apenas das inter-relações entre aberto, fechado, vazio e cheio. A tarefa não definiu nenhum programa específico, nem objetivou a realização de um projeto elaborado. Os resultados podem ser entendidos como um conjunto de Nolli Maps tridimensionais de cidades inexistentes, representações de realidades urbanas complexas, que articulam relações entre espaços cheios e vazios – neste caso volumes. O uso do tijolo LEGO como ferramenta de modelagem permitiu medir os volumes e estimar sua capacidade de facilitar um projeto arquitetônico potencial. Fornecendo um esboço válido para uma elaboração posterior das relações exploradas em uma proposta de design.

CLAIRE MORGAN

Клер Морган
كلير مورجان
克莱尔·摩根
クレア·モーガン
클레어 모건
Human Nature
Meu trabalho é sobre nosso relacionamento com o resto da natureza, explorado por meio de noções de mudança, a passagem do tempo e a transitoriedade de tudo ao nosso redor. Para mim, criar estruturas ou formas aparentemente sólidas a partir de milhares de elementos suspensos individualmente tem uma relação direta com a minha experiência dessas forças. Há uma sensação de fragilidade e falta de solidez que permeia todas as esculturas.

TRACY FEATHERSTONE

Wearable Structure: Head Organized

As estruturas vestíveis materializam nossa luta diária entre o controle e o caos. O equilíbrio é precário e pode tombar para um lado ou para o outro em um instante. Os materiais de construção tradicionalmente usados para construir ambientes residenciais ou outras garantias arquitetônicas são usados de forma frenética. Rapidamente, e talvez desesperadamente tentando impor ordem a uma situação que está saindo do controle. O papel tradicional de estrutura ou estabilidade torna-se móvel quando colocado na figura, permitindo ao indivíduo entrar na ilusão de estabilidade. O elemento móvel / vestível da obra subverte ainda mais as tentativas de controle e ordem. Semelhante à maneira como a água abrirá um novo caminho em torno de uma obstrução, o participante encontra novas maneiras de se movimentar em suas rotinas diárias de maneira normal.

Afonso Tostes

Árvores

Afonso Tostes vem se dedicando nos últimos anos ao que se pode chamar de investigação sobre as estruturas. As esculturas são feitas em madeiras recuperadas de demolições e canteiro de obras pela cidade. Estas peças são colocadas estrategicamente nos espaços, provocando a cada montagem uma sensação diferente no que se refere ao apoio, escora, e interdependência entre as partes. A série “prédios” remete à memória da origem do material, são peças que têm pulsação própria e ativam o espaço em torno através dos antagonismos entre o bruto e o refinado, o espontâneo e o erudito. Afonso Tostes tem uma produção irrequieta, suas esculturas assim como pinturas e desenhos nunca se acomodam no lugar comum, o artista imprime a velocidade do mundo em que vive; a observação daquilo que a princípio passaria desapercebido, para ele é matéria prima e fundamental.

MVRDV

gwanggyo power centre

o projeto de conceito consiste em uma série de edifícios em forma de colina cobertos de mato com grande diversidade programática, visando alta densidade urbana e incentivo a novos desenvolvimentos em torno do ‘centro de energia’, um dos dois centros previstos da futura nova cidade. o centro de energia de gwanggyo consistirá em moradias, escritórios, uma mistura de instalações culturais, de lazer e educacionais, bem como estacionamento. a estrutura em forma de colina é construída com uma série de anéis que facilitam a vida ao ar livre. cada piso será constituído por terraços com sistema de circulação piso a piso, onde a água será armazenada e utilizada para irrigar as plantas. os telhados dessas colinas e os terraços são plantados com sebes de buxo, criando um parque forte, reconhecível e coeso.

FRANÇOIS MORELLET

No End Neon
Os trabalhos de François Morellet são executados segundo um sistema: cada escolha é definida por um princípio previamente estabelecido. Com isso, ele quer dar a impressão de controlar a criação artística, deixando um elemento do acaso, que dá uma imagem imprevisível. Ele usa formas simples, um pequeno número de cores sólidas e composições elementares (justaposição, superposição, acaso, interferência, fragmentação). Assim, ele cria suas primeiras “molduras”, redes de linhas pretas paralelas sobrepostas em uma ordem determinada que cobrem toda a superfície das pinturas.
Esses sistemas são uma reminiscência das estruturas propostas por Oulipo (Ouvroir de Littérature Potentielle) e descritas por Raymond Queneau: “Qual é o propósito do nosso trabalho? Oferecer aos escritores novas “estruturas” de cunho matemático, ou ainda inventar novos processos artificiais ou mecânicos, contribuindo para a atividade literária “.
Posteriormente, François Morellet continuará a usar sistemas baseados em um universo matemático.

HERZOG & DE MEURON AND AI WEIWEI

THE SERPENTINE GALLERY PAVILION 2012

Segundo já anunciado pela Serpentine, o pavilhão deste Verão proporcionará uma viagem aos projectos dos anos anteriores. “Seguindo uma abordagem arqueológica, os arquitectos criaram um design que vai inspirar os visitantes a olhar para baixo da superfície do parque assim como a olhar para trás no tempo através dos fantasmas das estruturas antigas”, lia-se no comunicado da galeria londrina, que explicava que através da recuperação dos vestígios de intervenções de outros anos, vão ser construídas doze colunas, uma para cada edição. Apoiarão uma plataforma flutuante, a 1,5 metros acima do chão.

A cortiça surge como o elemento estruturante da obra por ser, segundo a dupla de arquitectos Herzog & de Meuron, um “material natural, com fortes mais-valias aos níveis do tacto e do olfacto, de grande versatilidade, permitindo ser facilmente esculpido, cortado, moldado e formado”.

Em comunicado, António Rios de Amorim, presidente da CA, escreve que esta “é uma oportunidade ímpar de demonstrar ao mundo que a cortiça não é apenas um produto único, criado pela natureza, mas também um material tecnologicamente relevante para o século XXI”. Carlos Jesus não tem dúvidas de que para esta aposta terá contribuído o sucesso do Pavilhão de Portugal na Expo 2010, em Xangai. “O pavilhão, todo revestido com cortiça, foi um dos mais visitados e acabou premiado”, disse Jesus, explicando que desde então a empresa se tem dedicado também a promover “estas particularidades técnicas”.