ARTHUR ELSENAAR

Mudança de rosto – As variedades da expressão facial humana
“The Varieties” é uma exploração algorítmica da expressão facial humana. Seis músculos de cada lado da face são acionados sucessivamente por meio da estimulação elétrica, resultando em 4.096 expressões faciais diferentes.

EVE BAILEY

Consciência crescente
“Usando um vestido de coquetel, montei uma grande estrutura cinética feita de vigas de madeira e escadas na frente do público. Em seguida, caminhei e me equilibrei na estrutura de seis metros de largura, a 2,5 metros do chão. “Consciência crescente” aborda minhas preocupações contínuas sobre a fisicalidade da experiência, habitando o corpo, a propriocepção como o possível sentido mais forte do eu, como a consciência espacial se correlaciona com a consciência geral e a autoconsciência, como a fisicalidade aumenta a criatividade, encontrando o equilíbrio entre a gravidade e a ausência de fundamento, um conceito de felicidade como a expressão mais plena do potencial cognitivo particular de alguém, ultrapassando limites e a atual política irreverente de responsabilidade.” Eve Bailey

JENNY MORGAN

摩根珍妮
제니 모건
ジェニーモーガン
Дженни Морган
Mother

A figura feminina é o motivo que se repete nas telas de Jenny Morgan. Os quadros, da artista norte-americana, descrevem o espaço que existe para além do labirinto representativo do realismo estético. A frieza estilística do hiper-realismo é sobrepujada, através de actos plásticos disruptivos do estatuto normativo da figura realista representada. No entanto em Jenny Morgan está sempre patente uma contenção desses actos disruptivos, não existe nunca uma total expressão desses mesmos actos.

ERNESTO KLAR

Эрнесто Клар
Luzes Relacionais
File Festival
“Luzes Relacionais” (Relational Lights) é uma instalação interativa audiovisual que explora a relação das pessoas com o caráter orgânico-expressivo do “espaço”. A instalação usa luz, som, neblina e um sistema de software customizado para criar um espaço-luz tridimensional de morphing (metamorfose), em que os espectadores participam ativamente, manipulando-o com sua presença e seus movimentos[…] A obra funciona como um organismo vivo, com ou sem a presença e a interação dos espectadores. Quando os espectadores saem da área de rastreamento ativo, o sistema começa seu próprio diálogo com o espaço através de extrusão e transformação de sequências de formas geométricas luminosas. Quando os espectadores penetram e interagem com o espaço-luz projetado, uma expressão coletiva e participativa do espaço se desdobra. “Luzes Relacionais” amplia o tecido tridimensional do espaço, tornando-o visível, audível e tangível aos participantes.

HO SIU-KEE

何兆基
aureola
A maioria das obras de arte de Ho Siu Kee começa com a exploração de seus próprios sentidos e percepção corporal. Eles aparecem como auto-retratos por meio da apresentação visual de suas próprias imagens corporais, empregando diferentes mídias, como escultura, instalação, fotografia e vídeo. A apresentação visual materializa e projeta a experiência pessoal inata como meio de expressão artística que se espera compor a comunicação entre o “Eu” e o “Outro”.

CÉCILE B. EVANS

lower pop installation

A prática de Cécile B Evans examina a maneira como a sociedade contemporânea valoriza as emoções. Muitas vezes desafia os valores sociais “objetivos”, regidos por padrões comumente reconhecidos e expressos em formas mutuamente acordadas, favorecendo a experiência pessoal e o subjetivo. Ela está interessada na tensão entre “o que se passa na sua cabeça, realmente, e no seu coração, realmente” (Robert Brenton e David Newman, ‘o novo Sentimentalismo’, 1964) e uma sociedade moderna que tem consistentemente tentado definir o eu -expressão em termos hierárquicos, ainda apoiada pelos efeitos democratizantes da tecnologia digital.