OLI SORENSON

Video pistoletto
“O projeto Vídeo Pistoletto me permitiu revisitar as performances de Michelangelo Pistoletto, fundador do movimento Arte Povera, quebrando não espelhos, mas telas de cristal líquido (LCD), usando um martelo e um cinzel. Aqui, os cristais se espalham dos pixels discretos da TV, embora permaneçam parcialmente sensíveis ao sinal de vídeo, para gerar composições orgânicas entre os fragmentos de vidro. Fiel aos princípios da Arte Povera, trabalho com um material tecnológico destinado ao empobrecimento, acompanhando os efeitos da obsolescência planejada. Uma vez danificados, estes são transformados em objetos concretos, como as ferramentas de Heidegger que só se manifestam à nossa consciência uma vez tornadas disfuncionais: as propriedades materiais dessas telas só são perceptíveis depois que eu interrompi sua função de abrir uma janela para o mundo.

Doug Wheeler

Luz, volume, escala, desorientação, infinitude, ilusão e realidade: estes os vetores da arte da luz como praticada por Doug Wheeler no contexto de um movimento ao mesmo tempo minimalista nos materiais físicos da obra e maximalista quanto à amplitude de sensações provocadas. “Luz e espaço” é o título de uma tendência reunindo artistas em torno interessados na luz surgida na Califórnia nos anos 1960. Piloto de aviões, Doug Wheeler anotou as sensações estimulantes e desnorteantes do vôo; de modo análogo, suas obras “desestabilizam nosso sentido de equilíbrio e nos levam a mover-nos em compasso com a Terra na direção de um horizonte inalcançável”. Outro modo de dizer a mesma coisa é destacar que Doug Wheeler busca a experiência do sublime.

YING YU

Morfologias do Ar
Os humanos, como seres sociais, usam a linguagem para se comunicar. A voz humana, como um mecanismo de autenticação biométrica, é constantemente usada em aplicações da vida diária, como reconhecimento de voz, verificação de alto-falante e assim por diante. Atualmente, as comunicações baseadas em idioma se enquadram principalmente em duas categorias: voz sobre o ar e voz sobre o protocolo da Internet. Podemos adicionar uma nova dimensão para a comunicação de voz, como um material vestível? Se sim, como poderíamos moldar a matéria a fim de fisicalizar as informações vocais? Morfologias do Ar é uma instalação interativa que usa materiais suaves, como silício, tecido e ar, para realizar essas fisicalizações. A voz humana controla a atuação de uma estrutura macia vestível, mudando a aparência do corpo humano.

PLATONOV PAVEL

بافيل بلاتونوف
帕维尔·普拉东诺夫
Павел Платонов

Platonov Pavel é um fotógrafo e designer russo conhecido por suas esculturas. Seus trabalhos são principalmente compostos por objetos tridimensionais utilizando materiais como madeira, metal e espelhos. Também possui séries fotográficas de modelos sendo adornados com mascaras tridimensionais feitas de papel.

REBECCA HORN

ريبيكا هورن
רבקה הורן
レベッカ·ホルン
레베카 호른
РЕБЕККА ХОРН
Spirits

Rebecca Horn é uma artista alemã, e um dos nomes consagrados da arte contemporânea. Conhecida por utilizar materiais diversos como penas, chifres, espelhos, etc, ela consegue unir em suas criações contundência e sutileza, realismo e certa magia surrealista, utopia e erotismo, política e lirismo, o alargamento e diminuição da escala.

Adriana Vignoli

Paisagem Feita com Grãos de Pedra
Adriana Vignoli cria objetos que transitam entre o desenho, a escultura e a instalação. A artista utiliza predominantemente materiais como o vidro, a terra, a pedra e o metal. Ela vem elaborando uma poética de coisas simples, “autônomas e utópicas”, que conectam o arcaico ao presente, ou mesmo, confabulam um futuro. Suas obras se envolvem por temáticas do tempo, da paisagem, da arquitetura e também do construtivismo. São influências advindas de Brasília, cidade em que nasceu e vive atualmente.

PABLO REINOSO

بابلو رينوسو
巴勃罗·雷诺索
파블로 레노소
Пабло Рейносо
two for tango
Originalmente escultor mas essencialmente um artista, Pablo Reinoso tem exercitado a arte de diferentes maneiras desde muito cedo. O artista trabalha em séries em que ele atravessa, tritura e vasculha em busca de explorar diferentes materiais. Como poderia potencialmente acontecer com qualquer série, sua mente está sempre aberta, transmitindo um permanente work in progress que constitui a maneira de pensar de seu autor.

SHAI LANGEN

Shai se define como um artista visual e busca transmitir através de seus projetos a inquietação e o vazio do prazer humano em obras conceituais que contrastam a leveza de um cenário inexistente e a agonia e fragilidade do indivíduo perante os materiais aplicados. Na maioria de suas fotografias – em grande parte feita para a indústria fashion e com o auxílio de outros fotógrafos – o artista é o seu próprio modelo e assume comportamentos hedônicos para concretizar seus trabalhos

JIM DENEVAN

Джим Деневан
모래 예술가 짐 데네반
外国人沙艺术家吉姆
ジム・デネバン

Jim Denevan tem 50 anos e é conhecido pela sua arte temporária colossal quando usa materiais naturais para criar desenhos em escala maciça na terra, areia e gelo.
As suas esculturas não são colocadas na paisagem, ao invés disso, as paisagens tornam-se os meios da sua criação.

DAMIÁN ORTEGA

داميان أورتيغا
达米安·奥尔特加
דמיאן אורטגה
ダミアン·オルテガ
데미안 오르테가
Дамиан Ортега
Building

Damián Ortega transita entre suportes variados, discutindo os limites da criação artística ao subverter os significados e funções de objetos cotidianos como tijolos, cadeiras, relógios ou carros. O artista altera, decompõe e transforma os objetos, revelando seus componentes implícitos e simbólicos e criando formas híbridas. Em paralelo, conduz uma investigação sobre formas escultóricas fundamentais, como o cubo minimalista construído com materiais banais ou mesmo desconstruído ou deformado.

Eric Klarenbeek, Designer of the unusual

Eye Jewellery

Eric Klarenbeek faz projetos especiais, ou digamos o incomum, para pessoas, projetos ou propósitos incomuns. Seu estúdio conecta criativos, designers, artesanato local e clientes, inventando novos projetos e produtos e acreditando que nosso mundo pode ser muito melhor, mais bonito e honesto. “Meu trabalho é caracterizado pela interação e inovação. Meus produtos podem estar em movimento, reagir à nossa presença ou responder aos desenvolvimentos em nossa sociedade. Busco novos significados e princípios nos objetos, por conexões inexploradas entre materiais, métodos de produção, fabricantes e usuários. Escala e aparelho são irrelevantes. Já projetei joias, mas também desenvolvi conceitos para conectar os turistas aos artesãos locais ”, diz Eric.

TRACY FEATHERSTONE

Wearable Structure: Head Organized

As estruturas vestíveis materializam nossa luta diária entre o controle e o caos. O equilíbrio é precário e pode tombar para um lado ou para o outro em um instante. Os materiais de construção tradicionalmente usados para construir ambientes residenciais ou outras garantias arquitetônicas são usados de forma frenética. Rapidamente, e talvez desesperadamente tentando impor ordem a uma situação que está saindo do controle. O papel tradicional de estrutura ou estabilidade torna-se móvel quando colocado na figura, permitindo ao indivíduo entrar na ilusão de estabilidade. O elemento móvel / vestível da obra subverte ainda mais as tentativas de controle e ordem. Semelhante à maneira como a água abrirá um novo caminho em torno de uma obstrução, o participante encontra novas maneiras de se movimentar em suas rotinas diárias de maneira normal.