VJ ELETROIMAN

Representa Corisco

COD.ACT

Coro pêndulo
Pendulum Choir é uma peça coral original para 9 vozes A Cappella e 18 macacos hidráulicos. O coro é constituindo por um corpo vivo e sonoro. Esse corpo se expressa por meio de vários estados físicos. Sua plasticidade varia de acordo com sua sonoridade. Varia entre sons abstratos, sons repetitivos e sons líricos ou narrativos. Os corpos dos cantores e suas vozes brincam com e contra a gravidade. Eles se tocam e se evitam, criando polifonias vocais sutis. Ou, apoiados por sons eletrônicos, rompem sua coesão e explodem em um voo lírico ou se dobram em um ritual obsessivo e sombrio. O órgão viaja da vida à morte em uma alegoria robótica onde a complexidade tecnológica e o lirismo dos corpos em movimento se combinam em uma obra com acentos prometéicos.

Behnaz Farahi

Synapse
Synapse is a 3D-printed helmet which moves and illuminates according to brain activity[…] The main intention of this project is to explore the possibilities of multi-material 3D printing in order to produce a shape-changing structure around the body as a second skin. Additionally, the project seeks to explore direct control of the movement with neural commands from the brain so that we can effectively control the environment around us through our thoughts. The environment therefore becomes an extension of our bodies. This project aims to play with the intimacy of our bodies and the environment to the point that the distinction between them becomes blurred, as both have ‘become’ a single entity. The helmet motion is controlled by the Eletroencephalography (EEG) of the brain. A Neurosky’s EEG chip and Mindflex headset have been modified and redesigned in order to create a seamless blend between technology and design.

JOHNNY MNEMONIC

No filme Johnny Mnemonic, o diretor Robert Longo vai ao limite da ficção científica ao colocar um chip de prodigiosa memória no cérebro do personagem principal, representado por Keanu Reeves. O espectador fica com a nítida sensação de que num futuro próximo a informação estará disponível, transportada de um lugar a outro no cérebro de ciborgues mensageiros. O chip pode transportar uma quantidade quase infinita de dados plugando um pino no orifício de um implante eletrônico colocado bem na região occipital.
cinema full

Luciano Berio

Visage
O trabalho eletrônico de Berio data, em grande parte, de sua passagem pelo Studio di Fonologia em Milão. Uma das obras mais influentes que produziu lá foi Thema (Omaggio a Joyce) (1958), baseada na leitura de Cathy berberiana do Ulisses de James Joyce, que pode ser considerada a primeira composição eletroacústica da história da música ocidental feita com voz e elaboração dele por meios tecnológicos. Um trabalho posterior, Visage (1961) vê Berio criando uma linguagem emocional sem palavras cortando e reorganizando uma gravação da voz de Cathy Berberian; portanto, a composição é baseada na carga simbólica e representativa de gestos e inflexões de voz, “de sons inarticulados a sílabas, de risos a lágrimas e canto, de afasia a padrões de inflexão de idiomas específicos: inglês e italiano, hebraico e dialeto napolitano ”

JULIAN OLIVER

朱利安·奥利弗
줄리안 올리버
ג’וליאן אוליבר
ジュリアン・オリバー
Джулиан Оливер
the transparency grenade

Julian Oliver é um artista nascido na Nova Zelândia, desenvolvedor de software livre, professor e escritor ocasional, sediado em Madri, Espanha. Ele apresentou trabalhos e obras de arte em muitos eventos e conferências internacionais sobre arte eletrônica. Julian deu diversos workshops e aulas sobre design de jogos, desenvolvimento artístico de jogos, arquitetura virtual, design de interfaces, realidade aumentada e práticas de desenvolvimento de código aberto em todo o mundo.

JUM NAKAO

Джум Накао
ジュン·ナカオ
sewing the invisible

Jum Nakao é estilista e diretor de criação, brasileiro e neto de japoneses. Vive na cidade de São Paulo onde se localiza seu ateliê. Inicialmente acreditava que o suporte do seu trabalho poderia ser a eletrônica e a computação, mas abandona esse setor por considerar os estudos extremamente distantes do olhar humano.

Sam Buxton

Clone Chaise

A Chaise Clone é uma espécie de espreguiçadeira luminosa que possui a forma anatômica de um ser humano, ela possui um detector que é capaz de dizer quando tem alguém sentado nela. A partir desse detector ela interage com o usuário conforme a sua respiração e batimentos cardíacos.Os designers estão cada vez mais integrando tecnologia de ponta com seus projetos para produzirem criações inovadoras. Uma das coisas mais comuns hoje em dia é ver trabalhos que lembram filmes de ficção cientifica, e a Clone Chaise é um ótimo exemplo disso. Ela foi criada pelo designer britânico Sam Buxton que apresentou o seu projeto no Montreal Museum of Fine Arts, ele diz em seu site que essa é apenas a primeira edição da cadeira de seis que ainda estão por vir.
A cadeira consegue detectar quando uma pessoa está sentada nela, e as luzes começam a acender conforme isso acontece. Dessa maneira o coração digital e os pulmões da cadeira começam a funcionar. É como se a cadeira ganhasse a vida quando está junta de um ser humano.
A Clone Chaise tem um design bastante criativo, ela é feito com aço, acrílico e alguns equipamentos eletrônicos para produzir a luz quando a cadeira detecta as pessoas que estão sentadas nela. Essa cadeira mede 600 x 750 x 1.850 milímetros, um tamanho mais do que o suficiente pra maioria dos seres humanos.