Scandinavian Design Group, Abida, Intek & Ctrl+N

Breaking the Surface
Ondas de luzes douradas parecem brilhar e flutuar no teto de “Breaking the Surface”, uma instalação interativa concebida por Scandinavian Design Group, ctrl+n, Abida, Pivot Product Design e Intek. A escultura cinética é composta por uma série de tubos de acrílico que se estendem pelo chão de uma matriz mecânica de dois pavimentos, movendo-se graciosamente para cima e para baixo da superfície de modo a evocar imagens da geografia submarina. Saiba mais sobre a instalação a seguir.

HWANG KIM

Simulador de Doppelganger Virtual
Esta é uma instalação interativa que pode refletir o dublê virtual do visualizador. Você pode olhar objetivamente para si mesmo do ponto de vista de uma terceira pessoa. Esta máquina tem cerca de 12 CCTVs circundando e pendurados perto do rosto do visualizador e a experiência do visualizador de engenharia para mostrar sua cópia virtual nos monitores conectados. Este sistema visual vestível permite que você veja seu próprio corpo ou o ambiente ao redor da perspectiva de uma terceira pessoa, mesmo quando você está se movendo.

YING YU

Morfologias do Ar
Os humanos, como seres sociais, usam a linguagem para se comunicar. A voz humana, como um mecanismo de autenticação biométrica, é constantemente usada em aplicações da vida diária, como reconhecimento de voz, verificação de alto-falante e assim por diante. Atualmente, as comunicações baseadas em idioma se enquadram principalmente em duas categorias: voz sobre o ar e voz sobre o protocolo da Internet. Podemos adicionar uma nova dimensão para a comunicação de voz, como um material vestível? Se sim, como poderíamos moldar a matéria a fim de fisicalizar as informações vocais? Morfologias do Ar é uma instalação interativa que usa materiais suaves, como silício, tecido e ar, para realizar essas fisicalizações. A voz humana controla a atuação de uma estrutura macia vestível, mudando a aparência do corpo humano.

The Constitute: Sebastian Piatza & Christian Zoellner

Eyesect
file festival
”Eyesect” é uma constelação interativa vestível que reflete um experimento extracorpóreo de maneiras imersivas. O trabalho permite que os usuários vicenciem seu ambiente sob novos pontos de vista. O mundo, conforme o percebemos na realidade e por meio da mídia, é alinhado com a visão dos seres humanos através de binóculos e estereoscópio. Essa perspectiva onipresente centrada no humano e o debate crítico sobre a tecnologia 3D que só estimula o espaço real e não simula a ânsia por novas propostas visuais foram o ponto de partida para o trabalho em ”Eyesect”

Rudolfo Quintas

SWAP
SWAP é uma performance audiovisual interativa para palco criada no cruzamento entre a dança e a visualização de movimento. A performance explora o conceito do corpo como sistema autopoiético intimamente ligado ao seu contexto, onde a mente, as emoções, o sistema nervoso e meio ambiente são um só – o corpo. Um organismo em permanente recursividade, regeneração e transformação, principio enunciado pelos biólogos Maturana e Varela. Em SWAP a visualização artística do movimento expõe os fluxos invisíveis que percorrem o interior e exterior do corpo, de acordo com a nossa percepção micro ou macro alteram a nossa leitura e compreensão da realidade. São geradas animações interactivas compostas por milhares de partículas em constante movimento que reflectem a relação entre o corpo do performer.

ERNESTO KLAR

Эрнесто Клар
Luzes Relacionais
File Festival
“Luzes Relacionais” (Relational Lights) é uma instalação interativa audiovisual que explora a relação das pessoas com o caráter orgânico-expressivo do “espaço”. A instalação usa luz, som, neblina e um sistema de software customizado para criar um espaço-luz tridimensional de morphing (metamorfose), em que os espectadores participam ativamente, manipulando-o com sua presença e seus movimentos[…] A obra funciona como um organismo vivo, com ou sem a presença e a interação dos espectadores. Quando os espectadores saem da área de rastreamento ativo, o sistema começa seu próprio diálogo com o espaço através de extrusão e transformação de sequências de formas geométricas luminosas. Quando os espectadores penetram e interagem com o espaço-luz projetado, uma expressão coletiva e participativa do espaço se desdobra. “Luzes Relacionais” amplia o tecido tridimensional do espaço, tornando-o visível, audível e tangível aos participantes.

Marshmallow Laser Feast

Laser Forest
O público pode explorar livremente o espaço, batendo fisicamente, agitando, arrancando e vibrando as árvores para acionar sons e lasers, provocando uma experiência coletiva bem interativa. Devido à elasticidade natural do material, a interação com as árvores fazia com que elas oscilassem, criando padrões de vibração de luz e som. Cada árvore estava sintonizada com um tom específico, criando sons harmoniosos espacializados e jogados através de um sistema de som surround poderoso, e quanto mais gente, mais legal ficava o experimento. A instalação foi projetada para trazer para fora em adultos os sentimentos de curiosidade e admiração, que são tão viva e evidentes nas crianças.